Hepatite C – infectados levarão bandeira de 250 metros a Brasília

Na quinta-feira 4 de dezembro de 2014, infectados pela hepatite C farão um manifesto em Brasília, abrindo uma bandeira de aproximadamente 250 metros, totalmente assinada por infectados e solidários com a causa, abraçando em sinal de apoio o prédio do Departamento de Hepatites.

Esse ato tem por finalidade pressionar a ANVISA, em razão da inexplicável demora burocrática para a efetiva aprovação e registro de três novos medicamentos para tratamento da hepatite C (sofosbuvir, simeprevir e daclatasvir), para que possam ser incorporados no SUS e distribuídos gratuitamente aos portadores.

.

Entendendo o porquê da indignação dos infectados e do povo brasileiro

O Ministério da Saúde, após inúmeras tratativas, obteve um desconto de 93% sobre o preço praticado nos Estados Unidos.

Assim, o custo para o SUS por paciente tratado de hepatite C com os novos medicamentos, de uso oral, passa a ter uma redução de aproximadamente 60% em relação ao atual tratamento triplo da hepatite C. Melhor ainda, enquanto o tratamento atual consegue curar 60% dos pacientes os novos medicamentos curam entre 90 e 95% dos pacientes tratados.

Incorporando esses medicamentos no SUS, com o mesmo orçamento atual será possível aumentar a oferta atual de 12.600 tratamentos/ano para 30.000 tratamentos/ano, isso sem necessidade de aumentar sequer um centavo no orçamento. Melhor ainda, se hoje resultam curados aproximadamente 6.500 pacientes, com um tratamento longo e sofrido de 48 semanas, com os novos medicamentos a cura estará beneficiando entre vinte e vinte e cinco mil pacientes, em tratamento de somente 12 semanas e com mínimos efeitos colaterais. Considere-se também a economia da não utilização de recursos, inclusive hospitalares, para o manuseio dos eventos adversos, sem falarmos nos impactos da redução de transplantes e re-transplantes hepáticos e suas complicações.

Esses medicamentos, já aprovados há pelo menos um ano pelas agencias reguladoras dos principais países do mundo e com recomendações expressas da Organização Mundial da Saúde, da Associação Americana para o Estudo do Fígado (AASLD) e pela Sociedade Americana de Doenças Infecciosas (IDSA), ambas dos Estados Unidos da América e da Associação Européia para o Estudo do Fígado (EASL), da Europa, inexplicavelmente ainda não estão aprovados no Brasil. A demora da ANVISA pune o paciente, o governo e o SUS. Incentiva, lamentavelmente, que os pacientes recorram a justiça, com todos os malefícios decorrentes da judicialização na saúde.

.

A demora da ANVISA nessa aprovação e inadmissível

O assunto é de interesse nacional, pois está prejudicando o Brasil. Contamos com vossa cobertura e divulgação.

.

Local

Quinta-feira 4 de dezembro – 12.00 horas
Prédio do Departamento DST;AIDS/HEPATITES
SAF Sul Trecho 02, Bloco F, Torre 1 Edifício Premium, 70070-600 – Brasília/DF
(Atrás do anexo do ministério da saúde)

Contato

Carlos Varaldo
Presidente do Grupo Otimismo de Apoio ao Portador de Hepatite
Tel. (21) 99973-6832
hepato@hepato.com

Agência de Notícias das Hepatites
E-mail: hepato@hepato.com
Internet: www.hepato.com




Se você gostou deste artigo, deixe um comentário abaixo e considere
cadastrar nosso RSS, para ser notificado nas próximas atualizações do blog.

Comentários

Nenhum comentário.

Os comentários estão encerrados.