Pai e filhos – fortalecendo a relação

Psicólogo fala sobre atitudes cotidianas que podem fazer toda a diferença

.

 

Integrar e compartilhar

Não é novidade o fato de que hoje as relações homem-mulher tornaram-se mais igualitárias – e isso reflete diretamente na família, que passa pelo exercício da maternidade e da paternidade de forma diferente. Hoje a criação dos filhos é dividida entre o casal e o homem, na maioria das vezes, sente-se mais a vontade para participar dessa vida familiar.

“É comum que os pais sintam essa necessidade de conversar e de ter uma relação mais forte com os filhos, mas, como isso ainda é algo relativamente novo para a nossa sociedade, muitos deles não sabem como fazer isso de forma natural e acabam sentindo-se incomodados. Muitos desses pais atuais tiveram pais autoritários, ‘sargentões’. Esses, por sua vez, tiveram pais ainda mais ‘duros’, que viram guerras de perto e etc”, explica Dr. João Alexandre.

Porém, é sim possível desenvolver uma boa relação entre pai e filhos, e, para isso, o psicólogo oferece algumas sugestões de atitudes que podem ser tomadas para facilitar o convívio e criar laços mais fortes de afetividade.

“O pai precisa entender que quando passa tempo com o filho, ele está investindo na vida da criança, afinal, um bom relacionamento entre pai e filho pode fazer toda a diferença na vida de qualquer criança”. Para isso, o psicólogo sugere que o pai converse com os seus filhos todos os dias. “O ideal é fazer isso desde quando o filho é bem pequeno. Mesmo que sejam apenas alguns momentos, quando acontece essa conversa o seu filho percebe que você está dedicando tempo para conversar com ele e que ele é importante para você. Pergunte a ele sobre o seu dia, seus altos e baixos, e o que mais for de interesse dele. É importante que o filho sinta-se seguro para conversar com seu pai sobre qualquer coisa.”

Outra dica é que o pai e os filhos compartilhem de algum interesse em comum. “Quando acontece esse interesse mútuo, os dois têm a oportunidade de passarem mais tempo juntos.”

O pai também deve lembrar-se de elogiar os filhos e ressaltar a qualidades deles. “As crianças precisam saber quando fizeram algo bom, e, para isso, nada melhor do que o reconhecimento do pai. Todo mundo quer ouvir coisas boas, mas muitas vezes o pai pode ser crítico demais e apenas ressaltar e corrigir os erros.”

“Outro aspecto muito importante é o ensinamento. O pai deve sempre ensinar os filhos, principalmente por meio do exemplo. Compartilhar conhecimento é muito importante, mas, mais importante do que isso, é ser uma pessoa boa diariamente – e influenciar seus filhos por meio disso. Não gosta que as crianças falem palavrão? Então não fale você também, por exemplo. Os exemplos são o que ficarão para a posteridade, seus filhos lembrarão-se de você por aquilo o que fazia diariamente, e não apenas pelo o que era dito”, conclui Borba.

                                                .

 

Fonte

João Alexandre Borba – Master Coach Trainer e Psicólogo.
joao.alexandre@live.com
21 9.9804-2805
https://www.facebook.com/joaoalexandre.c.borba

.

 

*****

 

 


Verônica Pacheco
Jornalista MTB4756-PR
21 3795-4736 / 21 9.6431-9000 Nextel
atendimento@todacomunicacao.com.br
http://www.todacomunicacao.com.br
http://www.toda-comunicacao.blogspot.com




Se você gostou deste artigo, deixe um comentário abaixo e considere
cadastrar nosso RSS, para ser notificado nas próximas atualizações do blog.

Comentários

Nenhum comentário.

Os comentários estão encerrados.