Problemas vasculares e diabetes podem causar problemas renais

Muitas vezes silenciosas, as doenças dos rins podem mostrar sintomas só em estágios avançados

 

Nefrites, infecções urinárias, tumores renais e cálculo urinário são algumas das doenças renais mais comuns. De acordo com o Ministério da Saúde, juntas essas doenças ocupam o 19º lugar entre as que mais matam no Brasil. Em muitos casos, as doenças renais são silenciosas e, por conta disso, só é descoberta em estado avançado. “Sintomas como diminuição de volume urinário, sangramento na urina, inchaço, aumento da pressão arterial e anemia muitas vezes só aparecem quando a doença está em um estágio avançado. Para evitar isso, é importante realizar exames regulares”, explica o médico Milton Skaff.

Causadas por alterações imunológicas, inflamatórias, infecciosas e neoplásicas, podendo ser congênitas ou hereditárias, as doenças renais ainda podem se desdobrar para outras complicações. Além da eliminação de toxinas e manter o equilíbrio hídrico do organismo, eliminando o excesso de água, sais e eletrólitos, os rins ainda atuam na produção de alguns hormônios. “O rim também é responsável pela produção e secreção de algumas substâncias, como a eritropoetina, que ajuda na produção de glóbulos vermelhos e sua falta pode levar a quadros de anemia”, explica o especialista. Patologias renais prejudicam também a liberação da renina que, junto com a aldosterona, controla o volume dos líquidos e a pressão arterial do nosso organismo. “Doenças renais não são só agravantes para hipertensão, mas mais frequentes em pessoas hipertensas”, conta o urologista, que ainda enquadra a diabetes e doenças vasculares no mesmo cenário.

No entanto é importante dizer que a mudança de pequenos hábitos pode evitar o sofrimento de doenças renais. “Uma boa ingestão de líquidos e evitar excesso de sal também ajuda a prevenir estas complicações”, afirma Dr. Skaff, que alerta que o quanto mais precoce for feito o diagnóstico e o tratamento, menores são as chances do se desenvolver a doença renal crônica, ou seja, a perda irreversível das funções renais.

                                                                                                                                                                                                                                         .

Fonte

 Milton Skaff – Médico urologista da Beneficência Portuguesa de São Paulo.

 

 

 

Sobre Beneficência Portuguesa de São Paulo

Fundada em 1859, a Beneficência Portuguesa de São Paulo é a maior instituição hospitalar privada da América Latina, contando com aproximadamente 7.500 colaboradores e 2.200 médicos, e com uma gestão baseada na qualidade assistencial, humanização, ensino e pesquisa, além de um corpo clínico formado por renomados especialistas. A instituição é referência no atendimento médico hospitalar em mais de 60 especialidades, como cardiologia, oncologia, neurologia, gastroenterologia, ortopedia, urologia, entre outras. Atualmente, a Beneficência Portuguesa conta com três hospitais que somam mais de 2.000 mil leitos de internação. O Hospital São Joaquim, primeiro pilar da Instituição, realiza atendimento ao Pronto Socorro, UTIs, Internações e Cirurgias. Em 2007, foi inaugurado o Hospital São José, que se destaca pelo atendimento oncológico com padrões internacionais, entre outras especialidades. Em 2012, o Hospital Santo Antônio foi criado com o objetivo de oferecer atendimento a pacientes usuários do Sistema Único de Saúde, reforçando a responsabilidade social e carácter beneficente da Associação. Já em 2013, a Instituição criou o Centro Oncológico Antônio Ermírio de Moraes para ser um dos maiores e mais completos núcleos de tratamento de câncer no país.

.

*****

.
Beneficência Portuguesa de São Paulo
hello@mynewsdesk.com>




Se você gostou deste artigo, deixe um comentário abaixo e considere
cadastrar nosso RSS, para ser notificado nas próximas atualizações do blog.

Comentários

Nenhum comentário.

Os comentários estão encerrados.