HPV – importância da vacinação

Método preventivo atingirá principalmente jovens e crianças a partir de 2014

.

A disponibilização gratuita da vacina começará a partir do dia 10 de março nos postos de saúde e em escolas públicas e privadas de todo Brasil. Neste ano, ela atenderá meninas de 11 a 13 anos e a partir de 2015 a faixa etária diminuirá para 9 a 11 anos. A vacina distribuída será quadrivalente, protegendo contra os 4 tipos mais comuns da doença: 6 e 11, responsável por 90% dos casos de verrugas genitais; 16 e 18, por 70% dos casos de câncer do colo de útero.

A idade proposta gerou uma polêmica entre pais que veem a vacinação como um incentivo à precocidade da vida sexual. A Dra. Adriana Campaner explica que o objetivo do medicamento é prevenir jovens e crianças contra o HPV. “Essa vacina é apenas uma forma de evitar que as doenças causadas pelo vírus, como o câncer do colo de útero, atinjam as mulheres futuramente. Em nenhum momento ela serve de indutor para a precocidade nas relações sexuais.”

O Papiloma Vírus Humano (HPV) é uma doença sexualmente transmissível. O vírus contém características assintomáticas e pode ficar encubado por um longo período, impedindo a manifestação e identificação da doença. A melhor forma de detecta-lo é procurar por lesões resultantes do HPV, o câncer do colo de útero, no caso das mulheres, e verrugas que atingem ambos os sexos.

Alguns exames como o Papanicolau ajudam a confirmar a presença do câncer do colo de útero. Com acompanhamento correto é possível prevenir quase 100% dos casos deste câncer. Ele deve ser feito anualmente em mulheres que já iniciaram a vida sexual.

Mesmo quem ainda não teve HPV, corre o risco de contrair a doença em algum momento da vida. Segundo a OMS, este número pode chegar a 69 milhões de brasileiras. Com a vacina é possível impedir este contágio, que pode ocorrer pela relação sexual ou por mucosa infectada. Deve ser lembrado, no entanto, que a vacina não previne contra todos os tipos de HPV, mas protege contra os 4 tipos virais mais frequentes.

A prevenção em jovens e crianças do sexo feminino atingirá diretamente a população masculina, com a diminuição da circulação do vírus entre homens e mulheres. Este ano, serão distribuídas 15 milhões de doses nos 36 mil postos de saúde do país.

A Santa Casa de São Paulo oferece atendimento para pacientes com HPV em ambulatórios voltado para as lesões específicas causadas pelo vírus. O ambulatório de Patologia Genital Inferior, voltado para doenças que acometem os órgãos sexuais femininos, atende cerca de 210 pacientes por mês portadoras do vírus HPV.

Há ainda no Instituto de Pesquisa da Santa Casa o Instituto do HPV, área dedicada exclusivamente para o ensino e pesquisa sobre o Papiloma Vírus Humano.

.

Fonte

Adriana Campaner – Médica ginecologista da Santa Casa de São Paulo.

 

A Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo

Fundada há mais de quatro séculos, a Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, instituição filantrópica, privada e laical, é um dos mais importantes complexos hospitalares do Brasil. A Irmandade, em todas as unidades, atende mais de 10 mil pessoas por dia em todas as especialidades médicas, possui mais de 2.300 leitos, registra uma média anual de mais de 1 milhão e 500 mil atendimentos ambulatoriais, 1 milhão e 800 mil atendimentos de emergência, 47 mil cirurgias e mais de 5 milhões exames. É referência nos atendimentos de emergência, ortopedia, pediatria e serviços de alta complexidade como neurocirurgias e transplantes. Além de possuir laboratórios próprios e excelentes serviços de Diagnóstico por Imagem.

.

*****

.

Assessoria de Imprensa Santa Casa de São Paulo
Felipe César/ Mauricio Barreira
(11) 2176-1731/2176-7000 R: 8532
jornalismo@santacasasp.org.br




Se você gostou deste artigo, deixe um comentário abaixo e considere
cadastrar nosso RSS, para ser notificado nas próximas atualizações do blog.

Comentários

Nenhum comentário.

Os comentários estão encerrados.