Obesidade na menopausa aumenta em duas vezes o risco de desenvolver câncer de mama

Mulher acima de 50 anos deve evitar o sobrepeso, além de praticar atividade física regularmente para impedir o desenvolvimento da doença

.

A cada ano 1,5 milhão de novos casos são diagnosticados de câncer de mama entre as mulheres no mundo inteiro. A obesidade é um dos principais fatores que colocam esse tipo de câncer como o segundo mais frequente. Mulheres obesas que atingem a menopausa têm duas vezes mais chances de desenvolver a doença.

De acordo com o Dr. Artur Malzyner, a obesidade contribui para o aumento da produção do hormônio feminino estrógeno, que quando encontrado em grandes quantidades no organismo da mulher pode provocar a multiplicação celular descontrolada das células do seio e de outros órgãos femininos. “Os níveis desse hormônio deveriam estar diminuindo nessa fase da vida devido a perda de função dos ovários.”

Existe ainda um outro fator que liga o desenvolvimento do câncer de mama com a obesidade – é a inflamação. As células de gordura aumentam a produção de fatores inflamatórios, que estão diretamente relacionados com a proliferação e crescimento das células do câncer. Por estas razões, dieta equilibrada e atividade física são orientações básicas para evitar a obesidade e sobrepeso. “A mulher que está fora do peso considerado ideal para sua faixa etária deve adquirir o quanto antes hábitos alimentares saudáveis, e evitar o sedentarismo”, reforça o médico.

Entre os sinais de alerta da doença estão o nódulo palpável no seio acompanhado ou não de dor mamária, alterações na pele que recobre a mama e secreção no mamilo.

Além da obesidade e sedentarismo, o tabagismo e a predisposição genética são também fatores que colaboram para o desenvolvimento do câncer de mama. No Brasil, as taxas de mortalidade por câncer de mama são elevadas, já que a doença ainda tem sido diagnosticada em estádios avançados.

“Para que a doença seja identificada precocemente e permita cura definitiva é importante a realização da mamografia a partir dos 40 anos de idade. Este exame permite mostrar lesões em suas fases mais iniciais , detectando lesões bem pequenas. A mulher que tem história desta doença na família deve iniciar exames mais cedo”, diz o especialista.

Dr. Artur reforça ainda a relativa ineficiência do autoexame como método adequado para diagnostico precoce do câncer de mama. “O autoexame não tem sido método de diagnostico estimulado para as mulheres, já que somente médicos ou enfermeiras treinados conseguem detectar tumor de até um centímetro, e isto se superficial. A mulher que realiza o autoexame só irá perceber seu problema quando sua doença estiver excessivamente avançada”, completa.

.

Fonte

Artur Malzyner – Médico oncologista do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos.

.

Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos

Localizado ao lado do Parque do Ibirapuera, em São Paulo, o Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos atua em mais de 50 especialidades e conta com cerca de 780 médicos. Realiza aproximadamente 12 mil procedimentos cirúrgicos, 13 mil internações, 205 mil consultas ambulatoriais, 140 mil atendimentos de Pronto-Socorro e 1,3 milhão de exames. Dentre os selos e certificações obtidos pela instituição, destaca-se a Acreditação Hospitalar Nível 3 – Excelência em Gestão, concedida pela Organização Nacional de Acreditação (ONA) e o Prêmio 100 Melhores Empresas para Trabalhar Brasil, conquistado pelo segundo ano consecutivo.

Rua Borges Lagoa, 1.450 – Vila Clementino, zona sul de São Paulo
Tel. (11) 5080-4000
Site: www.hpev.com.br
Facebook: www.facebook.com/ComplexoHospitalarEV
Twitter: www.twitter.com/Hospital_EV
YouTube: www.youtube.com/user/HospitalEV

.

*****

.

 

Informações

 

 

 

 

 

Janaína Gomes – janaina@tree.inf.br
Inês Castelo – ines@tree.inf.br

 

 




Se você gostou deste artigo, deixe um comentário abaixo e considere
cadastrar nosso RSS, para ser notificado nas próximas atualizações do blog.

Comentários

Nenhum comentário.

Os comentários estão encerrados.