Alimentação x saúde infantil – o que é certo ou errado?

Nutricionista fala sobre nutrição infantil

.

Imagine uma criança que come frutas, verduras e legumes, não reclama durante as refeições e sai da mesa no fim do almoço sem deixar um só grão de arroz no prato. Essa situação parece um sonho aos olhos das mães e pais que sofrem com a alimentação dos filhos. Entretanto, com atitudes certas, isso pode se tornar uma realidade!

A Dra. Marcela Shimamoto aponta que a raiz dos problemas alimentares dos pequenos está no exemplo passado pelos pais. “Hábitos alimentares inadequados dos pais e familiares acabam se tornando um mau exemplo para os filhos. A falta de limite na hora de comer também é um problema muito comum.”

Para “educar” o paladar dos pequenos e facilitar a temida hora da comida, a nutricionista recomenda que os pais variem os sabores dos alimentos e também a maneira como eles são preparados. Por exemplo, um dia fazer frango assado, no outro grelhado e assim por diante.

Outra dica é deixar que a criança participe do processo de preparação dos alimentos, assim ela se interessará em descobrir o gosto dos pratos, já que ela mesma ajudou a prepará-los. Para tornar os legumes e frutas mais atrativos para a garotada, a nutricionista sugere que os pais utilizem técnicas divertidas e descontraídas, por exemplo, fazer desenhos nos alimentos e rostinhos nos pratos.

Para aqueles casos mais difíceis, de crianças que detestam verduras e legumes, Dra. Marcela sugere que os pais “misturem” esses alimentos a outros pratos. Um bom exemplo, e fácil de fazer, é o arroz com legumes ralados ou picadinhos.

A nutricionista faz um alerta: não é certo forçar a criança a comer quando ela não tem vontade. “Evite forçar a criança, assim ela não associa a hora de comer com algo ruim. Às vezes a criança pode estar sem apetite. Não faça recompensas com guloseimas”, afirma.

É importante destacar que os pais não devem exagerar nas porções que servem aos filhos. Prato cheio não é sinônimo de saúde. A quantidade de comida deve ser adequada à faixa etária e a necessidade de cada criança. E o ambiente onde a refeição é realizada conta muito, o ideal é que seja tranquilo e agradável.

Evitar o excesso de guloseimas também é extremamente importante, além de estipular um horário para cada refeição. A falta de controle na ingestão de alimentos gordurosos ou ricos em açúcar pode resultar em graves problemas de saúde, como a obesidade infantil. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no Brasil uma em cada três crianças entre 5 e 9 anos está acima do peso considerado normal pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

 

Fonte

Marcela Shimamoto – Nutricionista do Colégio Itatiaia.
Colégio Itatiaia
www.colegioitatiaia.com.br

.

*****

.

Informações

Lucky Assessoria com Aline Ribeiro
Tel.: (11) 5573-4777
E-mail: lucky@luckyassessoria.com.br
www.luckyassessoria.com.br

 




Se você gostou deste artigo, deixe um comentário abaixo e considere
cadastrar nosso RSS, para ser notificado nas próximas atualizações do blog.

Comentários

Nenhum comentário.

Os comentários estão encerrados.