Sete dicas para não passar o verão de cama

Durante a estação de sol e praia, os casos de intoxicação alimentar lotam os pronto-socorros de todo o país. Dr. Bactéria ensina como matar a fome e a sede na praia sem colocar a saúde em risco.

Queijo coalho. Milho cozido. Espetinho de camarão. Especialmente no verão, os frequentadores das praias brasileiras consomem grande variedade de alimentos oferecidos por vendedores ambulantes. Também na estação de calor, os casos de intoxicação alimentar aumentam, lotando os pronto-socorros de todo o país. Para matar a fome e evitar problemas de saúde, vale a pena seguir algumas dicas simples do Dr. Bactéria.

1. Espetinho de camarão – É necessário observar suas características enquanto ainda está cru. “A casca deve sair inteira, sem grudar. Não deve haver pontos pretos no ponto de inserção das patinhas com o corpo do camarão e a cauda deve aguentar uma leve pressão”, explica Dr. Bactéria, que desaconselha o consumo do espetinho de camarão já frito.

2. Queijo coalho – Também entra na lista dos alimentos que é bom evitar, pois sua produção se dá com leite não pasteurizado “Isto é, com leite cru”, alerta Dr. Bactéria.

3. Raspadinha – É a campeã do risco, principalmente para a criançada, que ama se refrescar com essa mistura de gelo e xarope. “A grande maioria das raspadinhas vendidas por ambulantes é feita com gelo produzido com água não potável”, explica o especialista. Também é bom evitar sucos e batidas feitos com gelo em barra.

4. Milho cozido – Não oferece riscos desde que totalmente imerso em água e soltando vapor. Também é melhor comer diretamente da espiga, evitando que o ambulante debulhe o milho e o sirva em pratinhos plásticos.

5. Pastéis – Antes de serem fritos, devem ser armazenados em caixas térmicas limpas. O óleo precisa ser novo. “Óleo velho espuma muito e é escuro”, ensina Dr. Bactéria.

6. Sanduíches naturais – Desde que feitos no mesmo dia, sem maionese caseira (que estraga mais fácil) e mantidos em caixas térmicas higienizadas, com gelo ou outro doador de frio, podem ser consumidos. Mas a temperatura das caixas térmicas deve ser suficiente para manter o produto em torno de 5 graus C.

7. Bebidas de vendedores ambulantes – Podendo ficar em caixas de isopor com água e gelo contaminados, devem ser consumidas com atenção. “Sempre passe a embalagem das bebidas em água corrente. Depois, limpe a lata ou a garrafa com um guardanapo descartável”. Em se tratando de sucos, refrigerantes e água de coco, Dr. Bactéria lembra que só podem ser usados canudos embalados individualmente. “Apos o consumo, dê um nó no canudo para evitar reuso indevido.”

.

Fonte

Dr Bactéria – pseudônimo do biomédico Roberto Martins Figueiredo – é um personagem midiático ímpar no Brasil – e talvez até no mundo. Apropriando-se do que ele mesmo define como “dona de casês”, isto é, uma linguagem simples, clara e objetiva, que pode ser facilmente entendida por leigos e também por profissionais e estudantes da área, Dr Bactéria difunde informações técnicas e de interesse público na mídia de todo o país, prestando um serviço importante para a promoção da saúde e do bem-estar de muitos brasileiros. Além de assinar diversos artigos em veículos de comunicação impressos e digitais, o biomédico já escreveu cinco livros e colabora regularmente com reportagens de jornais, revistas, sites, rádios e TVs de todo o Brasil. Formado em biomedicina, com especialização em saúde pública e marketing, pela FGV; e em engenharia da qualidade, controle de processos e auditorias da qualidade, pela POLI-USP, Roberto Figueiredo protagonizou a campanha do Ministério da Saúde de prevenção da gripe suína. Seus livros são: “Xô, Bactéria! – Tire suas Dúvidas com Dr. Bactéria”, “Programa de redução de patógenos”, “Como não comer fungos, bactérias e outros bichos que fazem mal”, “Armadilhas de uma cozinha” e “Dr Bactéria – Um guia para passar a vida a limpo”.

.

*****

.

Texto Sênior Comunicação

Abel Marques (amarques@textosenior.com.br)
Leandro Haberli (leandro@textosenior.com.br
Renata R. de Freitas (rrosa@textosenior.com.br )
Celulares: (11) 99109-2442 e (11) 98542-0860/ Fixo: (11) 2826-5612




Se você gostou deste artigo, deixe um comentário abaixo e considere
cadastrar nosso RSS, para ser notificado nas próximas atualizações do blog.

Comentários

Nenhum comentário.

Os comentários estão encerrados.