Nova técnica libera mais pessoas dos óculos

Córnea fina impede 2 em cada 10  pessoas de fazer cirurgia refrativa com corte manual, mostra estudo
Técnica totalmente a laser pode ser aplicada em metade desses pacientes
              

Dados do CBO (Conselho Brasileiro de Oftalmologia) mostram que 50% da população brasileira têm vício de refração – miopia, hipermetropia ou astigmatismo. O problema é que um estudo com 1,25 mil pacientes realizado pelo Dr. Leôncio Queiroz Neto, mostra que 60% dos que não enxergam bem rejeitam o uso de lentes corretivas. 

Outro recente estudo do IBOPE aponta que 3 em cada 10 mulheres que precisam de óculos de grau, deixam de usar por vaidade. Isso explica porque anualmente 300 mil brasileiros optam pela cirurgia refrativa. Mas nem todos que rejeitam os óculos podem se livrar deles. No estudo conduzido pelo Dr. Queiroz Neto, dois em cada 10 participantes apresentaram córnea muito fina para passar pela cirurgia. A boa notícia é que metade desses pacientes agora pode corrigir a visão.  Isso porque, uma nova tecnologia, o Intralase, faz cortes a laser que retira até 20% menos tecido da córnea. O equipamento transforma em vapor d’água células do epitélio (camada externa da córnea) para que o grau seja corrigido no estroma (camada intermediária).

O especialista afirma que além de superficial, o corte a laser torna a cirurgia mais precisa e segura. “Os principais riscos da refrativa são o enfraquecimento da córnea decorrente da profundidade da incisão e o aumento do grau provocado pela irregularidade do corte. O Intralase elimina estas complicações”, afirma. A recuperação, ressalta, também é mais rápida. Isso porque, o corte superficial facilita a cicatrização, diminui o olho seco pós-cirúrgico e melhora a previsibilidade do procedimento.
          

As principais razões elencadas pelo médico para optar pela cirurgia refrativa são:

Custo menor – A constante troca de óculos pesa mais no bolso do que o procedimento que pode ser parcelado.
Cobertura dos planos de saúde – Miopia a partir de 5 graus e hipermetropia acima de 6 graus. Procedimentos com intralase não têm cobertura.
Recuperação rápida – Retomada das atividades em 24 horas.
Baixo risco – Complicações pós-cirúrgicas só aparecem em 1% dos pacientes.
Elimina limitações – A cirurgia permite praticar todo tipo de esporte e acaba com a restrição de campo visual imposta pelos óculos.
Menos cansaço visual – Diminui a fadiga visual no computador, principalmente para quem usa lentes multifocais.
    

Prós e contras de cada técnica

Dr. Queiroz Neto diz que o método mais adequado depende de uma completa avaliação da saúde ocular e do estilo de vida de cada paciente. As características de cada método são:

* PRK – Indicado para córneas um pouco mais finas e graus moderados de vícios refrativos, é realizado com a raspagem do epitélio – camada externa da córnea. O pós-operatório é mais dolorido, causa menos olho seco que o Lasik e mais fotofobia. A recuperação é mais lenta.

* LASIK – Só pode ser feito em córneas com 5 micras de espessura. Corrige graus mais elevados que o PRK. O pós-operatório é praticamente indolor. A recuperação é mais rápida, mas causa mais olho seco.

* WAVEFRONT – Além dos vícios de refração corrige outras pequenas alterações conhecidas como aberrações que chegam a comprometer até 20% da visão. A cirurgia inclui exame no aberrômetro. O equipamento emite mais de mil pontos luminosos que detectam estas imperfeições pelo desvio da luz. O mapa dessas alterações permite moldar a córnea de forma personalizada.

* INTRALASE – Pode ser aplicado em córneas mais finas. Causa menos olho seco, é um procedimento mais seguro e preciso. O preço é mais elevado e não tem cobertura dos planos de saúde.

* LENTE INTRA-OCULAR – Corrige miopia de 6 até 12 graus sem desgastar a córnea ou retirar o cristalino. É indicada para quem tem alta miopia e não pode passar por outro tipo de procedimento.. A recuperação é rápida e em 1% dos casos podem surgir infecções intraoculares ou glaucoma.

* PREBILASIK – Indicada para quem tem vício de refração associado à presbiopia ou vista cansada que dificulta a visão de perto a partir dos 45 anos. O laser molda a parte central da córnea para enxergar de perto e a periférica para enxergar de longe. O problema é que a redução da vista cansada não é definitiva.
           

Alerta aos míopes

O especialista alerta que mesmo quem passa pela refrativa, deve fazer exames anuais quando completa 40 anos. Isso porque, é a partir dessa faixa etária que surgem doenças oculares relacionadas à idade que em muitos casos estão relacionadas a outras alterações da saúde. “Míopes que corrigem mais de 6 graus devem manter atenção redobrada, mas a maioria desaparece dos consultórios”, diz. A partir de 6 graus a miopia aumenta o risco de degenerações na retina que necessitam acompanhamento, adverte. Prevenir é melhor que remediar.
                 

Fonte

Leôncio Queiroz Neto – Médico oftalmologista do Instituto Penido Burnier.
              

*****
       

Informações

Eutrópia Turazzi
LDC Comunicfação
eutropia@uol.com.br
F: (19) 3272-8784

 




Se você gostou deste artigo, deixe um comentário abaixo e considere
cadastrar nosso RSS, para ser notificado nas próximas atualizações do blog.

Comentários

Nenhum comentário.

Os comentários estão encerrados.