Câncer de mama – 80% dos nódulos de mama não têm nada a ver com câncer

Especialista diz que biópsia por agulha é indicada para diagnosticar tumores malignos e benignos
        

Muitas mulheres perdem o controle quando abrem o exame de mamografia e dão conta da presença de um nódulo. Mas, de acordo com a American Cancer Society, cerca de 80% das alterações submetidas à biópsia por agulha (mamotomia) são consideradas benignas.  Guiada por ultrassom ou estereotaxia (mamografia), a biópsia percutânea resulta na remoção de uma amostra do tecido para que seja realizado um exame histológico, que apontará se as alterações celulares são benignas ou malignas.

Para este ano, de acordo com o Inca, estão previstos no Brasil 52 novos casos de câncer de mama para cada grupo de 100 mil mulheres. Nas regiões Sudeste e Sul a incidência da doença é maior: 69/100 mil e 65/100 mil, respectivamente. De acordo com a doutora Vivian Schivartche, o rastreamento mamográfico começa aos 40 anos, mas as mulheres podem notar o aparecimento de um nódulo no seio em qualquer idade.

“Somente 20% dos nódulos diagnosticados por métodos de imagem são associados a tumores malignos. Mesmo nesses casos, as chances de cura são promissoras. Hoje em dia, as pacientes contam com recursos diagnósticos de ponta. Durante a mamotomia, fazemos biópsia de nódulos de até 1,5cm ou calcificações muito pequenas agrupadas  nas mamas. O procedimento, que é guiado pela estereotaxia (mamografia), ultrassom, ou por ressonância magnética, é realizado em clínica ou ambulatório, dispensa internação, faz uso de anestesia local – sendo indolor – e praticamente não deixa nenhuma cicatriz na paciente, retirando bastante material da lesão. Vale ressaltar que a mamotomia é indicada para nódulos ou lesões não palpáveis, encontrados nos exames de screening (imagem)”, diz a médica.

De acordo com a radiologista, até poucos anos atrás, a mulher era submetida a um procedimento cirúrgico para retirar a lesão e analisar se o nódulo era benigno ou maligno. “A paciente permanecia internada por dois ou três dias e ainda ficava com cicatriz. Ou seja, a maioria das mulheres nessas condições sofria desnecessariamente. A mamotomia, que é realizada na maior parte das clínicas das grandes cidades, é um método diagnóstico preciso, facilita a vida da paciente e não deixa marcas – nem físicas, nem emocionais”, diz a médica.
       

Fonte

Vivian Schivartche – Especialista em diagnóstico da mama, médica radiologista do CDB Premium – pertencente ao Centro de Diagnósticos Brasil. www.cdb.com.br

Mais sobre o CDB

O Centro de Diagnósticos Brasil (CDB) foi inaugurado em São Paulo há 14 anos, já com a proposta de ser um shopping center de saúde, onde os pacientes podem realizar todos os exames necessários em um só lugar, com conforto, segurança e facilidades.  Hoje, a rede dispõe de cinco megaunidades, além do CDB Premium – unidade que oferece tecnologia de ponta através de um serviço exclusivo e personalizado, em que o paciente conta com atendimento individualizado.
           

*****
            

Heloisa Paiva
Diretora de Jornalismo
(11) 2894.9976 / 2894.9975
(11) 8547.0170
www.ppagina.com.br




Se você gostou deste artigo, deixe um comentário abaixo e considere
cadastrar nosso RSS, para ser notificado nas próximas atualizações do blog.

Comentários

Nenhum comentário.

Os comentários estão encerrados.