Pesquisa abre novas perspectivas contra Alzheimer

Pesquisadores descobriram que uma enzima no cérebro pode melhorar e afiar a memória, abrindo pistas para aperfeiçoar medicamentos para pessoas que sofrem do Mal de Alzheimer.

Por meio de testes de laboratório com camundongos, a equipe de Reut Shema, do Weizman Institute of Science, de Israel, e do dr. Todd Sacktor, do SUNY Downstate Medical Center, de Nova York, descobriram que poderiam aumentar a memória de camundongos alterando a enzima proteína quinase M zeta (PKMzeta).

Adicionando lítio na água, os pesquisadores condicionaram os camundongos a relacionar o sabor da água doce a uma sensação de náusea, criando uma associação negativa. Depois de uma semana, eles injetaram um vírus nos animais, provocando aumento do PKMzeta. Sabia-se que a inibição do PKMzeta no cérebro deteriorava a memória de longo prazo dos camundongos, mas a pesquisa atual mostrou que o aumento dessa enzima, que aparece entre as sinapses do cérebro, intensifica os sinais entre os neurônios, melhorando sua conectividade.

Mais informações através do link:
http://israel21c.org/health/the-enzyme-that-sharpens-memory/
                      

*****
 

Informações

Assessoria de imprensa do Centro de Mídia Brasil-Israel (Cembri)
Ex-Libris Comunicação Integrada
Cristina Freitas (21) 2204-3230/ 9431-0001 – cristina@libris.com.br
Tayza Ribeiro (21) 2269-9669/ 8710-2744 – tayza@libris.com.br 
 




Se você gostou deste artigo, deixe um comentário abaixo e considere
cadastrar nosso RSS, para ser notificado nas próximas atualizações do blog.

Comentários

Nenhum comentário.

Os comentários estão encerrados.