Gravidez de anencéfalos – médico comenta sobre a questão da interrupção de gravidez de anencéfalos

Segundo o Dr. Alberto Jorge Guimarães, defensor do parto humanizado (www.partosemmedo.com), a ciência entende que anencefalia é causada por um defeito no fechamento do tubo neural (estrutura que dá origem ao cérebro e à medula espinhal). “Pode surgir no final do primeiro trimestre de gestação. O diagnóstico é feito no pré-natal, a partir de 12 semanas de gestação, inicialmente por meio de ultrason morfológico.”

Entidades médicas afirmam que o Brasil tem aproximadamente um caso para cada 700 bebês nascidos. A grande maioria das crianças que nascem sem cérebro morrem instantes depois. Por essa razão, Dr. Alberto entende que o uso do termo “aborto” é muito pesado. Para ele, deveria se utilizar o termo “interrupção da gravidez” ou “antecipação do parto”.

Além de carregar no útero um bebê fadado a viver possivelmente por alguns minutos, as mães ainda têm de lidar com a burocracia de registrar o nascimento e o óbito no mesmo dia. “Temos que pensar também na vida da mãe, pois é desumano ler esses efeitos nocivos para a saúde da mulher”, referindo-se a problemas recorrentes nas mulheres após gestações desse tipo.

 

Fonte

Alberto Jorge de Sousa Guimarães – Médico, ginecologista e obstetra pela Faculdade de Medicina em Teresópolis e mestre pela Escola Paulista de Medicina, UNIFESP. Defensor dos conceitos de Parto Humanizado, idealizado pelo médico francês Michel Odent, bem como as questões de proximidade mãe e filho apontados por Ashley Montagu e Frederic Laboyer. Dr. Guimarães começou a praticar no Brasil ideias inovadoras, sobre um novo modelo de assistência a parturiente, enfatizando o parto como um evento de máxima feminilidade, quando a mulher e bebê são os protagonistas. Um conceito de ambiente calmo e tranquilo, que com o amparo do pai, mãe e bebê vivenciam este momento de forma livre, espontânea e ativa.

Atualmente o médico vem difundindo uma proposta de reformulação dos protocolos de assistência à mulher, propondo um atendimento com menos intervenções farmacológicas e uma assistência mais humana no parto. Embasado por vários estudos científicos, Dr. Guimarães pratica com as pacientes o parto na água. Segundo ele, a água quente aliada a técnicas de respiração, pode proporcionar um parto com menos dor e uma passagem mais suave para o bebê que encontra um ambiente externo parecido com o experimentado durante nove meses na barriga da mãe.
             

*****

Ricardo Viveiros & Associados
Oficina de Comunicação
Fone/Fax: 11 3675.5444
www.viveiros.com.br
Patrícia Ribeiro
Tels 11 8080-9495 ou 9495-4406
pribeiron@hotmail.com
 




Se você gostou deste artigo, deixe um comentário abaixo e considere
cadastrar nosso RSS, para ser notificado nas próximas atualizações do blog.

Comentários

Nenhum comentário.

Os comentários estão encerrados.