Visão afeta aprendizado

O uso de óculos pode melhorar o aprendizado de uma em cada duas crianças com problemas na visão
                

O baixo rendimento escolar está ligado à falta de óculos para 51% das crianças. É o que indica pesquisa feita com 365 alunos matriculados na primeira e segunda série do ensino fundamental das escolas públicas de Campinas. O indicativo foi levantado após a doação de óculos em projeto social realizado no Instituto Penido Burnier.

“É resultado da avaliação dos pais e professores no período de um ano” afirma o oftalmologista, Leôncio Queiroz Neto, diretor médico do programa. Para ele a análise reforça a conclusão do programa de alfabetização solidária apoiado pelo MEC (Ministério da Educação e Cultura) – a maior causa da evasão escolar são os problemas de visão que respondem por 22,9% dos casos.

O especialista diz que 8 em cada 10 participantes do programa realizado no hospital nunca tinham passado por consulta oftalmológica. A estimativa do CBO (Conselho Brasileiro de Oftalmologia) é de que 30% das crianças brasileiras precisam usar óculos. Na infância o exame oftalmológico é essencial porque o olho está em desenvolvimento até a idade de 7 anos. “Qualquer bloqueio sem tratamento adequado neste período pode se transformar em deficiência visual grave e até levar à perda irreparável da visão”, alerta.
             

Olho preguiçoso causa cegueira

Não por acaso, um levantamento da OMS (Organização Mundial da Saúde) mostra que 5% das crianças brasileiras são cegas de pelo menos um olho e 60% dos casos de cegueira são evitáveis. O especialista destaca que a maior causa de cegueira monocular na infância é a ambliopia ou olho preguiçoso que atinge 4% das crianças brasileiras. Acontece quando o desenvolvimento de um dos olhos fica comprometido. As causas podem ser: estrabismo (olhos desalinhados), catarata congênita unilateral e diferença importante do grau de miopia, hipermetropia ou astigmatismo entre os olhos.
                

Diagnóstico precoce simplifica tratamento

Dr. Queiroz Neto afirma que o diagnóstico do olho preguiçoso antes dos 5 anos permite que o tratamento seja feito com a oclusão do olho de melhor visão para forçar o desenvolvimento do outro.  Isso porque, a criança só usa o olho bom e o outro fica cada vez mais fraco.

Ele diz que a oclusão pode funcionar como suporte à cirurgia para alinhar os olhos nos casos mais avançados de estrabismo que não respondem bem à terapia de exercícios e óculos. Também é fundamental para restaurar a visão após o implante de lente intraocular para corrigir a catarata unilateral.
                

Estrabismo pode passar despercebido

Nem todo estrabismo, destaca, pode ser percebido pelos pais. Há casos em que a doença é latente e só pode ser notada nos testes de motilidade ocular feitos no consultório. Dores de cabeça e torcicolo freqüentes podem indicar necessidade de consultar um oftalmologista para diagnosticar desvio latente do olho.
                    

Sinais de problemas de visão

Dr. Queiroz Neto afirma que os problemas oculares mais comuns na infância são os vícios de refração – miopia, hipermetropia e astigmatismo.

* Miopia – A visão de longe é ruim porque as imagens são projetadas na frente da retina pelo sistema de foco do olho – córnea e cristalino.

* Astigmatismo – Irregularidades no formato da córnea fazem com que as imagens sejam projetadas em mais de um plano e a visão fica distorcida.

* Hipermetropia – As imagens são projetadas atrás da retina e a visão de perto fica fora de foco. 

Em geral os vícios de refração surgem a partir da idade de 3 anos, mas podem aparecer antes, principalmente quando os pais usam óculos. Como a criança não tem noção de como enxerga o mundo, pais e professores devem estar atentos aos sinais de problemas de visão. Os principais elencados pelo médico são:

* Até 2 anos
· Lacrimejamento constante
· Fotofobia
· Menina dos olhos muito grande, com reflexo, cor acinzentada ou opaca
· Falta de interesse pelo ambiente e pessoas
· Olhos vermelhos e com secreção

* De 3 a 7 anos
· Tomba a cabeça para um lado
· Dor de cabeça ou nos olhos frequente
· Assiste TV muito próxima da tela
· Olhos desviados para o nariz ou para fora
· Esfrega os olhos após esforço visual
· Fecha um dos olhos em locais ensolarados
              

Excesso de computador nas férias aumenta risco de miopia

Muitas crianças podem ter dificuldade de enxergar a lousa. Um estudo feito pelo Dr. Queiroz Neto mostra que passar muitas horas usando computador e videogame quase dobra o risco de contrair miopia (dificuldade de enxergar à distância). O médico explica que isso acontece porque quando o olho está em desenvolvimento o excesso de esforço para enxergar de perto pode enfraquecer a acomodação e causar miopia. O problema pode ser transitório ou permanente, dependendo do esforço visual e de fatores genéticos.

Os sinais de necessidade de consulta médica são dor de cabeça no final das aulas, sentar sempre nas primeiras carteiras ou aproximar muito os livros dos olhos.
           

Avaliação pela internet

Pais e professores que quiserem assegurar o melhor rendimento escolar das crianças podem fazer a avaliação visual através de testes auto-explicativos disponíveis no site do médico – www.drqueirozneto.com.br.  Ele diz que a avaliação pela internet não substitui a consulta médica. Apenas sinaliza como a criança enxerga.
              

Fonte

 Leôncio Queiroz Neto – Oftalmologista do Instituto Penido Burnier.
www.drqueirozneto.com.br
            

*****
             

Informações à Imprensa

Eutrópia Turazzi
LDC Comunicação
eutropia@uol.com.br
F: (19) 3272-8784




Se você gostou deste artigo, deixe um comentário abaixo e considere
cadastrar nosso RSS, para ser notificado nas próximas atualizações do blog.

Comentários

Nenhum comentário.

Os comentários estão encerrados.