O que é uma gravidez ectópica?

Uma gravidez “fora do lugar”, ou seja, o óvulo fertilizado se desenvolve fora do útero. Esse é o princípio básico do que os médicos chamam de Gravidez Ectópica. Apesar do nome quase desconhecido essa não é uma ocorrência incomum: uma em cada 100 a 150 gestações é ectópica. Na maioria das vezes, a gestação ocorre em uma tuba uterina.

A gravidez ectópica também é conhecida como gravidez tubária. Em raras ocasiões, a gravidez começa a se desenvolver no ovário, no colo do útero, ou ligada à superfície de um órgão próximo. “A causa típica de uma gravidez ectópica é uma obstrução ou estreitamento de uma trompa de falópio que impede o óvulo fertilizado de passar através da trompa até o útero”, explica o Dr. Domingos Mantelli Borges Filho.

As causas da gestação ectópica são várias, mas, na maioria das vezes, é resultado de uma inflamação e cicatrização de infecção pélvica. Outras causas menos comuns incluem infecções abdominais como apendicite, tumores pélvicos, e formação de tecido fibroso de cicatrização após cirurgia abdominal.

Infelizmente, uma gravidez ectópica não é viável. De fato, é uma condição médica que pode ter complicações sérias. Pode ser fatal para a mãe, a menos que seja prontamente tratada.

“As consequências podem ser gravíssimas. Caso a gravidez ectópica não seja detectada ela pode romper a trompa que a envolve, levando a sangramento abundante dentro do abdômen. Gestações ectópicas localizadas em outras áreas, como o ovário e o colo do útero, podem invadir os vasos sanguíneos próximos e causar uma hemorragia”, explica o médico.

A gravidez ectópica geralmente é percebida cerca de duas a quatro semanas após o atraso do período menstrual normal. Quantidades pequenas e irregulares de sangue que saem da vagina são um dos sintomas iniciais. Dores agudas e contínuas em um lado da porção inferior do abdômen também sinalizam a doença.

Um exame pélvico identifica facilmente esse tipo de gravidez. A constatação acontece quando observado um inchaço em um lado da pelve ao fazer exame de toque, e os movimentos do útero ou ovários durante esse exame podem causar dor. Caso seja constatada a gravidez ectópica, a mulher será hospitalizada imediatamente.

Uma das alternativas de tratamento é o tratamento clinico medicamentoso para a gravidez ectópica ou a cirurgia.
              

Fonte

Domingos Mantelli Borges Filho – Médico ginecologista e obstetra.
www.domingosmantelli.com.br
            

*****
           

Sacha Silveira Assessoria de Imprensa
MTB – 51.948
Tel – (11) 2626-9219/2532 7887/8949 3747
Endereço – Rua Pelotas, 349, Vila Mariana, São Paulo-SP
E-mail – sachasilveira@globomail.com




Se você gostou deste artigo, deixe um comentário abaixo e considere
cadastrar nosso RSS, para ser notificado nas próximas atualizações do blog.

Comentários

Nenhum comentário.

Os comentários estão encerrados.