Câncer de ovário – doença silenciosa

Ele é o câncer ginecológico mais difícil de ser diagnosticado. Quando aparece, geralmente, está em estágio avançado e é considerado um dos mais letais. O Câncer de Ovário é um tumor maligno que atinge mulheres em idade fértil. Sempre ao se falar de câncer, a prevenção ou o diagnóstico precoce são os melhores aliados, os melhores “antídodos” contra a doença. Mas, infelizmente isso nem sempre é possível no caso de Câncer Ovariano.

Embora ele seja menos frequente que o câncer de colo do útero, o câncer de ovário merece atenção especial. Fatores hormonais, ambientais e genéticos estão relacionados com o aparecimento da doença. Em 90% dos casos, ele se apresenta de forma esporádica, isto é, não apresenta um fator de risco reconhecido. Já os 10% restantes acomete mulheres que apresentam um componente genético ou familiar. O histórico familiar é o fator de risco isolado mais importante. Ter conhecimento é fundamental nesses casos.

“É preciso saber diferenciar a presença de cistos no ovário, bastante comum entre as mulheres, e um tumor maligno. O perigo é maior quando os cistos são maiores que 10 cm e possuem áreas sólidas e líquidas. Também podemos encontrar massas sólidas nos ovários, o que deve ser sempre investigado. Em ambos os casos, quando detectados, a cirurgia é o tratamento mais indicado”, explica a Dra. Denise Gomes.

O diagnóstico precoce é o caminho mais adequado a se manter e, para isso, é importante consultar regularmente o seu médico. Mulheres com fatores de risco e acima de 50 anos devem ter atenção especial. “O chamado exame preventivo ginecológico (Papanicolaou) não detecta o câncer de ovário, já que é específico para detectar o câncer do colo do útero”, revela a médica. Para isso lançamos mão de propedêutica mais específica.

O Câncer de Ovário é suspeitado através de um exame clínico ginecológico com o toque vaginal. Neste  procedimento o médico tenta palpar os ovários e dimensioná-los. Caso alguma suspeita seja levantada, deve-se realizar uma ultra-sonografia pélvica para buscar o diagnóstico.

Mas, é importante lembrar que todos os exames acima citados não diagnosticam com certeza e precisão o câncer de ovário, pois todos são falhos quando o tumor é pequeno. Sendo assim, quando a suspeita persiste a melhor opção para o diagnóstico do câncer de ovário é a realização de tomografia computadorizada, podendo assim realizar uma avaliação mais detalhada do tumor e se há ou não o comprometimento de outros órgãos. O diagnóstico de certeza se faz com uma biópsia da lesão e estudo anátomo-patológico da mesma, o que é realizado por cirurgia.

O tratamento da doença é feito, geralmente, através de cirurgia, radioterapia e quimioterapia. A escolha vai depender principalmente do tipo do tumor, da  idade da paciente, de suas condições clínicas, e do estágio de evolução da doença. Se a doença for detectada no início – especialmente nas mulheres mais jovens – é possível remover somente o ovário afetado.
                            

Fonte

Denise Gomes – Médica Ginecologista e Obstetra.
www.plenaclinica.com.br
            

*****
          

Sacha Silveira Assessoria de Imprensa
MTB – 51.948
Tel – (11) 2626-9219/2532 7887/8949 3747
Endereço – Rua Pelotas, 349, Vila Mariana, São Paulo-SP
E-mail – sachasilveira@globomail.com




Se você gostou deste artigo, deixe um comentário abaixo e considere
cadastrar nosso RSS, para ser notificado nas próximas atualizações do blog.

Comentários

Nenhum comentário.

Os comentários estão encerrados.