Perigo invisível – música alta em academias de ginástica pode causar danos à audição

Verão chegando, hora de cuidar ainda mais do corpo para fazer bonito na praia, na piscina, na viagem de férias
              

Frequentar academias faz parte de uma rotina saudável, mas o que muitos não se dão conta é que junto com os resultados de um corpo enxuto, correm o risco de ter a audição comprometida. Especialistas dizem que o nosso ouvido tolera ruídos até 85 decibéis. Em muitas academias, o barulho pode chegar a 110 décibeis, por causa da música utilizada pelos professores para estimular seus alunos a malhar.

A grande preocupação é que a ‘Perda Auditiva Induzida por Ruído’ é cumulativa. “Dependendo da frequência e do tempo de exposição ao som elevado, o atleta – e também o professor – pode sofrer danos auditivos de forma contínua e elevada ao longo da vida. Quanto maior a frequência a ambientes barulhentos, maior o problema. Além disso, na medida em que o volume passa dos 100 decibéis, aumenta o risco de lesões na cóclea (órgão dentro da orelha responsável pela audição). Nesses casos, o tempo de exposição não deve passar de 30 minutos”, explica a fonoaudióloga Isabela Gomes.

A academia de ginástica, um local destinado ao lazer e à saúde, contraditoriamente gera ruídos sonoros próprios de ambientes industriais, danosos à audição. Na indústria, o uso de protetores de ouvido é obrigatório entre os trabalhadores. No entanto, nas academias, muito frequentadas por jovens, não há fiscalização. O barulho em excesso é tolerável e até muito bem aceito.

As aulas de Spinning, por exemplo, que simulam trajetos de bicicleta em montanhas – e que são sucesso nas academias -, são sempre embaladas por música bem alta, para os frequentadores entrarem no ritmo da malhação. Para piorar, os professores são obrigados a gritar a cada mudança de exercício, o que torna o barulho ainda maior.

Para evitar ou pelo menos atenuar os riscos de danos à audição, o melhor é usar protetores auriculares na academia. “Eles apenas reduzem o volume excessivo, mas quem usa não deixa de ouvir o som ambiente”, explica a fonoaudióloga.  Os protetores comercializados pela Telex, por exemplo, são moldados de acordo com a anatomia do ouvido de cada pessoa; e podem ser feitos em dois modelos: o que diminui em 15 decibéis o barulho ambiente ou o outro tipo que reduz o som em 25 decibéis.

Isabela Gomes lembra, no entanto, que existem pessoas mais suscetíveis aos altos ruídos do que outras. “O ideal é consultar sempre um especialista e fazer uma avaliação. Ele dará as orientações necessárias para prevenir ou impedir o agravamento da perda de audição”, conclui.
                   

Fonte

Isabela Gomes – Fonoaudióloga da Telex Soluções Auditivas.
                                         

*****
              

Mais informações

Assessoria de imprensa da Telex Soluções Auditivas
Ex-Libris Comunicação Integrada
Cristina Freitas (21) 2204-3230 / 9431-0001 – cristina@libris.com.br
Fernanda Amorim (21) 3486-9897 / 7819-4102  – fernanda.amorim@libris.com.br




Se você gostou deste artigo, deixe um comentário abaixo e considere
cadastrar nosso RSS, para ser notificado nas próximas atualizações do blog.

Comentários

Nenhum comentário.

Os comentários estão encerrados.