Férias podem alastrar doenças nos olhos

Uso prolongado de colírio pode piorar olho vermelho e deixar sequela na visão
Saiba como prevenir complicações
 

O verão é a estação preferida para a proliferação de bactérias que provocam inflamações na superfície dos olhos – conjuntivite, ceratite e blefarite. São doenças que atingem 1 em cada 4 brasileiros em algum momento do verão. É o que mostra levantamento feito pelo oftalmologista, Leôncio Queiroz Neto, nos prontuários de pacientes do Instituto Penido Burnier, atendidos nos períodos de dezembro a março dos últimos dois anos.

Por causa do surto de conjuntivite viral que aconteceu no último inverno, o médico alerta para o risco de comprometimento maior da visão nos casos de recontaminação da conjuntiva por vírus ou bactéria.

Isso porque, a toxidade dos conservantes dos colírios pode provocar deficiência de lágrima e piorar a irritação ocular, ao ponto de provocar danos na superfície dos olhos.

Os principais grupos de risco são:
* Alérgicos
* Mulheres na pós-menopausa
* Idosos
* Pessoas que trabalham em ambientes com ar condicionado
* Usuários de lente de contato

Dr. Queiroz Neto diz que os sintomas da toxidade do conservante e dos dois tipos de conjuntivite são idênticos – olhos vermelhos, inchaço, coceira, fotofobia e visão borrada. A única diferença é o tipo de secreção. Na conjuntivite viral é viscosa e incolor, enquanto na bacteriana é purulenta.

Já a insistência em usar um colírio cujo conservante provoca reação tóxica pode causar blefarite (inflamação das pálpebras) ou ceratite (inflamação da córnea). Nos casos mais graves, Dr. Queiroz Neto diz que ocorre a formação de depósitos que levam à morte celular dos tecidos oculares e provocam baixa visual.

O acompanhamento médico é a única forma de evitar complicações. “Quando se trata de uma reação à toxidade do conservante os sintomas podem desaparecer completamente só com a interrupção do medicamento. Se ocorrer apenas uma melhora, o colírio é trocado”.
                            

Como prevenir

As principais recomendações para evitar a contaminação da conjuntiva por vírus ou bactéria são:

* Lavar frequentemente as mãos
* Evitar aglomerações e locais fechados
* Não compartilhar maquiagem, fronhas, toalhas e colírios
* Evitar levar as mãos aos olhos
                

Higiene das pálpebras evita inflamação

O médico explica que no verão a maior produção de oleosidade pela pele facilita o desenvolvimento da blefarite (inflamação da pálpebra). Tanto que a blefarite seborréica responde por 70% dos casos da doença. “As mulheres são mais afetadas por causa do uso de maquiagens que contêm óleo na fórmula. Isso facilita a obstrução das glândulas de Meibômio, responsáveis pela produção da camada oleosa da lágrima”.
                

Cuidados que previnem o surgimento da doença

* Evitar maquiagem a qualquer desconforto
* Limpar a pálpebra 2 vezes ao dia com solução específica para blefarite
* Diariamente aplicar nas pálpebras 2 a 3 compressas de água quente filtrada
* Massagear a pálpebra com movimentos circulares e horizontais 2 vezes por semana
* Adicionar nozes e sementes linhaça à alimentação
* Interromper o uso de lente de contato
                

Cuidados nas viagens aéreas

O especialista diz que quem usa lente de contato deve estar atento não só com as fórmulas dos colírios, como também com as viagens aéreas. Isso porque, nas cabines pressurizadas a umidade do ar cai a 20% ou 30%. Por isso, as lentes devem ser retiradas para evitar ferimentos na córnea.
                         

Recomendações para evitar problemas com lentes de contato

* Fazer a adaptação com um oftalmologista
* Interromper o uso a qualquer desconforto ocular e passar por consulta médica
* Lavar cuidadosamente as mãos antes de manipular as lentes
* Utilizar soluções limpadoras na higiene e enxague das lentes e estojo
* Friccionar as lentes para eliminar completamente os depósitos
* Não usar soro fisiológico ou água na higienização
* Retirar as lentes antes de remover a maquiagem e quando usar spray no cabelo
* Colocar as lentes sempre antes da maquiagem
* Guardar o estojo em ambiente seco e limpo
* Trocar o estojo a cada quatro meses
* Respeitar o prazo de validade das lentes
* Jamais dormir com lentes, mesmo as liberadas para uso noturno
* Retirar as lentes durante viagens aéreas por mais de três horas
* Não entrar no mar ou piscina usando lentes

             

Fonte

Leôncio Queiroz Neto – Médico oftalmologista do Instituto Penido Burnier.

                   

*****

            

 Informações à imprensa

Eutrópia Turazzi – LDC Comunicação
eutropia@uol.com.br
F: (19) 3272-8784
Celular: (19) 9172-4437




Se você gostou deste artigo, deixe um comentário abaixo e considere
cadastrar nosso RSS, para ser notificado nas próximas atualizações do blog.

Comentários

Nenhum comentário.

Os comentários estão encerrados.