Saiba como livrar-se da bromidrose, o popular chulé

Mau cheiro advém de alterações no organismo que aumentam a quantidade de suor no corpo e, especialmente na planta dos pés, da ação de bactérias

 
O suor excessivo do corpo, causado por alterações no organismo resultantes de problemas de tireoide, menopausa ou estresse, e altas temperaturas formam o ambiente perfeito para a multiplicação de bactérias que causam a bromidrose, ou o chulé, nome popular para os casos em que ocorre nos pés. Entretanto, qualquer pessoa, independente da idade ou sexo, está suscetível.

“A falta ou a má higienização dos pés e o calor retido nos calçados propiciam o crescimento bacteriano”, afirma a Dra. Márcia Grieco. “Por esse motivo, os homens, por usarem calçados fechados durante a maior parte do tempo, têm mais chances de apresentar bromidrose.”

A médica explica que o suor produzido pelo corpo contém água e eletrólitos, que são os sais minerais, e não tem odor. O mau cheiro é provocado pela ação de bactérias que se alimentam do suor e de todo material que se encontra sobre a pele. A umidade faz com que elas se proliferem mais rapidamente. “A retenção do suor entre os dedos piora com o uso de meias sintéticas, sapatos de borracha ou plástico e quando não enxugamos bem os pés”.

Se mesmo evitando essas situações o mau cheiro persiste, é hora de procurar tratamento médico. No caso de micoses, o ideal para acabar com o cheiro ruim é usar antimicóticos à base de creme ou talcos. Nos casos em que não há micose ou fungos nos pés, os cremes antibióticos são mais indicados.
              

Dicas para acabar com o chulé

* Dê atenção à higiene dos pés, lavando-os com sabonete, bucha ou escova;
* Seque bem os pés entre os dedos com papel higiênico;
* Use sapatos arejados de couro ou pano para ficar em casa;
* Evite sapatos sintéticos, meias de nylon, solados e calçados de borracha ou plástico. Os forros devem ser de couro ou algodão;
* Não use o mesmo sapato todos os dias;
* Use talcos anticépticos sempre após o banho;
* Após o uso, coloque os calçados para secar em locais arejados e ensolarados;
* Se observar a existência de descamações entre os dedos, fissuras ou bolinhas, procure um dermatologista para checar a presença de fungos, micoses ou bactérias.
           

Fonte

Márcia Grieco – Médica dermatologista do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos.

                        

Sobre o Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos

Localizado ao lado do Parque do Ibirapuera, em São Paulo, atua em mais de 50 especialidades e conta com cerca de 780 médicos. Realiza aproximadamente 12 mil procedimentos cirúrgicos, 13 mil internações, 205 mil consultas ambulatoriais, 140 mil atendimentos de Pronto-Socorro e 1,3 milhão de exames. Dentre os selos e certificações obtidos pela instituição, destaca-se a Acreditação Hospitalar Nível 3 – Excelência em Gestão, concedida pela Organização Nacional de Acreditação (ONA).
 
Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos
Rua Borges Lagoa, 1.450 – Vila Clementino, zona sul de São Paulo
Tel. (11) 5080-4000
Site: www.hpev.com.br
Facebook: www.facebook.com/ComplexoHospitalarEV
Twitter: www.twitter.com/Hospital_EV
YouTube: www.youtube.com/user/HospitalEV
           

*****
         

Informações para a imprensa

Tree Comunicação
(11) 3093-3617 / 3093-3609
Amanda Novaretti – amanda.novaretti@tree.inf.br
Janaína Gomes – janaina@tree.inf.br
Inês Castelo – ines@tree.inf.br 

 

 




Se você gostou deste artigo, deixe um comentário abaixo e considere
cadastrar nosso RSS, para ser notificado nas próximas atualizações do blog.

Comentários

Nenhum comentário.

Os comentários estão encerrados.