Diabetes na gravidez eleva risco da doença em futura gestação

Estima-se que no Brasil cerca de 90 mil grávidas desenvolvem este tipo de diabetes
Risco de desenvolver a doença novamente aumenta 41% após a primeira gestação e 57% após a segunda
   

Estudo realizado por cientistas do Kaiser Permanente Southern Califórnia Medical Group, nos EUA, revelou que mulheres que desenvolveram diabetes gestacional têm mais chances de ter a doença em uma futura gravidez.

De acordo com o estudo, que avaliou quase 80 mil mulheres entre 1991 e 2008, o risco cresce de acordo com o número de vezes que a mulher desenvolveu o problema, aumentando 41% após a primeira gestação com diabetes e 57% após a segunda. “Durante a gestação o corpo da mulher passa por diversas mudanças físicas e hormonais, podendo assim alterar a sensibilidade à insulina no corpo e conseqüentemente desenvolver o diabetes gestacional”, destaca o Dr. Thomas Szego.

O diabetes gestacional costuma aparecer a partir do segundo trimestre da gestação. Se não detectada e controlada corretamente, a doença pode afetara saúde da mãe e do filho que está sendo gerado, causando até mesmo a morte do feto. No Brasil estima-se que cerca de 90 mil grávidas desenvolvem este tipo de diabetes. “É preciso um acompanhamento pré-natal para detectar qualquer alteração durante a gravidez. O diabetes aumenta a pressão arterial da mulher, influencia nos riscos de parto prematuro e de complicações após o nascimento da criança, que fica mais propenso a desenvolver doenças crônicas quando virar adulto”, ressalta Dr. Thomas.

Histórico familiar, hipertensão, má alimentação ou gestações anteriores com bebês de mais de quatro quilos são fatores de risco para o desenvolvimento da doença.

Seus sintomas são: sede, urina em excesso, inchaço, vômitos incontroláveis, visão turva, fadiga crônica e infecções na bexiga ou na vagina.
                  

Obesidade

A obesidade também é um grande fator de risco para o desenvolvimento da doença no período gestacional. Um novo estudo realizado pela Universidade de Maryland, nos EUA, e publicado na última edição do Journal of American College avaliou a incidência de diabetes gestacional em pacientes que, antes de engravidar, foram submetidas a cirurgia bariátrica.

A equipe de pesquisadores realizou um estudo retrospectivo comparando as taxas de diabetes gestacional e resultados relacionados entre um grupo de mulheres com parto antes da cirurgia bariátrica e outro com o parto realizado após a cirurgia bariátrica. Os pesquisadores usaram um banco de dados com informações sobre 23.594 mulheres que realizaram a cirurgia bariátrica entre 2002 e 2006.

As mulheres que engravidaram após a cirurgia bariátrica tiveram menor incidência de diabetes gestacional, comparada ao outro grupo. Os pesquisadores também revelaram uma redução no número de cesarianas no grupo que foi submetido a cirurgia bariatrica. “As mulheres que passaram pela cirurgia bariátrica passam por um período gestacional mais tranqüilo, com menos riscos que as mulheres obesas, já que o excesso de peso é o grande vilão de varias doenças, como o diabetes”, diz Dr. Thomas.

Os bons resultados da cirurgia para o controle do diabetes tipo 2 devem-se, basicamente, a dois fatores: a perda de peso do paciente e principalmente a alteração hormonal. A cirurgia pode ser indicada no tratamento de pacientes diabéticos tipo 2, com IMC (Índice de Massa Corpórea – peso dividido pela altura ao quadrado ) acima de 35.

Três tipos de cirurgia bariátrica se mostram eficientes no controle do diabetes: o by-pass gastrojejunal e as derivações bilio-pancreáticas (scopinaro e “duodenal switch”). As três técnicas criam um atalho para o alimento, que é desviado do duodeno e chega antes à parte final do intestino. “ Esse desvio altera a secreção de alguns hormônios intestinais, como o GLP-1, cujo aumento estimula a produção de insulina, resultando na melhora ou até mesmo no controle do diabetes tipo 2”, explica Dr. Thomas.
        

Fonte

Thomas Szego – Presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica, SBCBM.

               

Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica

Criada em 1º de julho de 1999, a Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica é a segunda maior entidade do segmento no mundo. Com cerca de mil associados entre cirurgiões, nutricionistas, psicólogos, clínicos, endocrinologistas e enfermeiros, a Sociedade tem o principal propósito de buscar soluções para combater o vertiginoso crescimento dos números da obesidade mórbida no país.

Além disso, a Sociedade investe em estudos científicos sobre a eficácia da cirurgia bariátrica  no controle e na cura do diabetes tipo II. O Brasil conta atualmente com mais de 20 estudos em vários Estados do País e os resultados apontam um futuro promissor no controle da doença, que atinge mais de 21 milhões de brasileiros.

Os associados ensinam a medicina bariátrica nos cinco continentes, sendo presença de destaque em todos os congressos mundiais sobre o tema.
                         

*****
              

Mais informações

Target Consultoria em Comunicação Empresarial
Rafael Ernandi – rafael@targetsp.com.br
Thaís Souza – thais@targetsp.com.br
Assessoria de Imprensa da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica
(11) 3063-0477
 




Se você gostou deste artigo, deixe um comentário abaixo e considere
cadastrar nosso RSS, para ser notificado nas próximas atualizações do blog.

Comentários

Nenhum comentário.

Os comentários estão encerrados.