Diabetes – sobrepeso e obesidade são os grandes vilões

Nesta segunda-feira, 14 de novembro, aconteceu o Dia Mundial do Diabetes, considerada maior iniciativa mundial em torno do diabetes. A data foi escolhida devido ao nascimento do cientista canadense Frederick Bantin que, em parceria com Charles Best, foi responsável pela descoberta da insulina, em outubro de 1921.

Para o Dr. Cláudio Corá Mottin, a ocorrência de diabetes em pessoas sem antecedentes familiares, o sobrepeso e a obesidade são os grandes vilões desse processo e resultam de alimentação inadequada e sedentarismo.

A Organização Mundial de Saúde classificou o excesso de peso como uma epidemia mundial. Hoje são mais de 300 milhões com índice de massa corpórea (IMC) acima de 30, associado a uma série de doenças graves, como problemas cardíacos, diabetes, hipertensão e até alguns tipos de câncer. No Brasil, 40% da população têm excesso de peso e 10 a 15 % têm obesidade.  A prevalência de obesidade tem resultado em aumentos preocupantes também na incidência de diabetes tipo 2.

Segundo o Dr. Mottin, a relação obesidade e diabetes é uma relação perigosa. “O aumento da massa gordurosa, principalmente abdominal (visceral) está ligada à resistência à insulina, ou seja, à maior dificuldade da insulina colocar a glicose para dentro das células. O problema se agrava se o paciente tiver predisposição genética para desenvolver diabetes, pois neste caso o pâncreas é mais suscetível à deficiência na produção de insulina.”
                   

Diabetes tipo 2

Atualmente, o Centro de Obesidade e Síndrome Metabólica do Hospital São Lucas da PUCRS é um dos centros que lidera no país, a realização da cirurgia bariátrica pela técnica by-pass, com desvio intestinal para diabéticos tipo 2, com IMC entre 30 e 35, que foi aprovada internacionalmente.

O procedimento abrevia o caminho entre o estômago e o intestino e evita que a comida passe pelo duodeno e jejuno inicial (porções iniciais do intestino delgado), jogando-a numa parte mais perto do íleo (porção final do intestino delgado). E, é exatamente, por isso, que ocorre o aumento de produção de hormônios, entre eles o GLP-1, um dos mais importantes do grupo de incretinas que são substâncias fabricadas pelo intestino, logo após a alimentação, para estimular a produção de insulina. “Nos diabéticos, os níveis dessa substância são muito baixos e após a cirurgia se elevam, o que produz provavelmente, o efeito de remissão ou melhora da doença já nos primeiros dias”, ressalta o Dr. Cláudio Mottin.
                  

Fonte

Cláudio Mottin – Médico cirurgião e diretor do Centro de Obesidade e Síndrome Metabólica do Hospital São Lucas da PUCRS.
              

*****
                

Paula Oliveira de Sá
Jornalista (DRT/RS 8575)
Vitrine de Notícias
Assessoria de Imprensa
(51) 9219-1986




Se você gostou deste artigo, deixe um comentário abaixo e considere
cadastrar nosso RSS, para ser notificado nas próximas atualizações do blog.

Comentários

Nenhum comentário.

Os comentários estão encerrados.