Óculos de sol – não se deixe enganar por modelos baratinhos

Assim como maiôs, biquínis e sungas, os óculos escuros estão entre os acessórios que as pessoas mais gostam de adquirir quando chega a temporada de sol, que se estende até março. Seja para estar na moda, seja porque os óculos atuais estão desgastados, é preciso ter um mínimo de informação para não investir num artefato que pode prejudicar a visão, ao invés de proteger contra os raios ultravioleta, agressivos aos olhos.

De acordo com o doutor Renato Neves, óculos de sol sem boa procedência não oferecem garantia de proteção UV, não passam por tratamento antirrisco, antirreflexo ou polarização. Tem mais: a irregularidade da superfície das lentes pode causar desconforto visual, dor de cabeça e astigmatismo – deformidade da córnea que torna a visão desfocada para perto e para longe.

“Desconfie das lojas que oferecem óculos de sol a preços populares, porque as lentes podem não ser de boa procedência. Por consequência, fuja das bancas de camelôs e tome cuidado dobrado ao comprar via internet. Nesse caso, explore todo o site, a qualidade dos produtos que oferece e, inclusive, os testemunhos de quem comprou antes de você. É importante que o acessório tenha o selo holográfico da Abióptica, que garante sua procedência”.

Na opinião do médico, o uso de óculos de sol é, antes de tudo, uma questão de prevenção. “Com o nível de informação globalizada que temos hoje em dia, as pessoas não deveriam sair de casa sem antes passar protetor solar e colocar bons óculos de sol, mesmo em dias nublados. A escolha correta dos óculos escuros é tão decisiva para a saúde dos olhos que é mais prejudicial usar essas réplicas ilegais de marcas famosas do que não usar nada”.

A exposição aos altos índices de UV, de acordo com o oftalmologista, também provoca degeneração macular – doença que afeta a parte central da retina, membrana posterior dos olhos onde as imagens são transmitidas para o nervo óptico. A doença é mais comum em pessoas de olhos claros e também pode estar relacionada às alterações na circulação, que matam as células da retina. Ainda não existe tratamento eficaz para alterações retinianas. Por isso, a prevenção com lentes protetoras ainda é o melhor remédio.

Outra dica do especialista é não comprar por impulso. “Nesses casos, quem toma decisões rápidas, adquirindo um par de óculos somente porque combinou com o visual do momento, quase sempre acaba se arrependendo. Geralmente, a pessoa acaba percebendo tarde demais que os óculos são pesados, ou pequenos, ou grandes, ou coloridos demais para seu rosto. Por isso, é preciso que a compra seja realizada com tempo e com cautela, levando em consideração também suas características pessoais”.
                        

A cor de lente certa para você

“Na hora de escolher seus óculos de sol, evite as lentes pretas, dando preferência a uma cor que favoreça suas atividades e sua visão”, diz Dr. Renato Neves – que indica as mais usadas:

* Cinza – São usadas para várias atividades, fazendo com que o usuário sinta-se à vontade e confortável.

* Âmbar e castanho – São indicadas para dirigir, já que oferecem uma boa noção de contraste e profundidade.

* Verde – As lentes verdes filtram pouca luz azul, mas oferecem melhor visão de contraste. É a cor mais adequada para a população acima dos 60 anos, período em que começamos a perder a visão de contraste.

* Púrpura – São a melhor opção para quem pratica esqui ou caça, porque aumentam a visão de contraste em ambientes com fundo azul ou verde.

* Amarela – As lentes amarelas bloqueiam a luz azul e reduzem o ofuscamento de motoristas no lusco-fusco do entardecer. Entretanto, são inadequadas durante o dia, já que reduzem a visão de contraste em ambientes com muita luminosidade.
                                     

Sete dicas para proteger a visão das crianças

Muitos pais ainda negligenciam a visão de seus filhos. Pior ainda: há quem compre para as crianças óculos de plástico baratinho, que, além de não proteger contra os raios ultravioletas, ainda podem acabar prejudicando a visão e acarretando dor de cabeça e mal-estar. Estudos revelam que esse descuido também pode aumentar o risco de desenvolverem catarata e degeneração macular com o tempo.

Dr. Renato Neves aponta sete dicas para acertar na escolha dos óculos de sol infantis:

* Não negligencie a visão do seu filho. Invista em óculos de sol com 100% de proteção UV;
* Confira se os óculos de sol se ajustam perfeitamente ao rosto da criança. Para que ela sinta-se confortável, é preciso não apertar demais nem ter de ficar segurando os óculos com receio de caírem;
* Seja paciente. Crianças podem levar um pouco mais de tempo do que os adultos para se adaptarem à novidade. Depois vão adorar;
* Opte por lentes mais resistentes a quedas e riscos. O objetivo principal é proteger os olhos sem limitar os movimentos da criança;
* Se a criança pratica esportes ou costuma brincar de correr com os colegas, considere armações apropriadas, que são presas à nuca;
* Crianças que usam óculos de grau devem ter também a prescrição de um modelo similar de sol;
* Adolescentes que fazem uso de lentes de contato não precisam de receita para comprar óculos de sol, mas devem usar ambos em lugares abertos.
                            

Fonte

Renato Neves – Médico oftalmologista, diretor-presidente do Eye Care Hospital de Olhos (SP).
www.eyecare.com.br
                      

*****

 

 Heloisa Paiva
Diretora de Jornalismo
(11) 2894.9976 / 2894.9975
(11) 8547.0170
www.ppagina.com.br




Se você gostou deste artigo, deixe um comentário abaixo e considere
cadastrar nosso RSS, para ser notificado nas próximas atualizações do blog.

Comentários

Nenhum comentário.

Os comentários estão encerrados.