Dia Mundial do AVC – 29 de outubro

Dossiê latino-americano alerta sobre riscos elevados de AVC na população brasileira
                

No Brasil, cerca de 1,5 milhão de pacientes convivem com fibrilação atrial (FA), tipo de arritmia cardíaca que é uma das principais causas de derrame cerebral. O país lidera o ranking latino-americano de mortes por acidente vascular cerebral, com mais de 129 mil casos por ano.

O movimento “Action for Stroke Prevention” (Ação para a prevenção do AVC) – com apoio da Bayer HealthCare Pharmaceuticals – lançou recentemente o dossiê “How Can We Avoid a Stroke Crisis in Latin America?” (Como podemos evitar uma crise de AVC na América Latina?) durante a 3ª Conferência Latino Americana da Sociedade Internacional de Farmacoeconomia (ISPOR, sigla em inglês). O documento – assinado por 36 entidades médicas e de pacientes – chama a atenção para a incidência de acidente vascular cerebral (AVC) na América Latina. De acordo com o dossiê, estima-se que no Brasil existam 1,5 milhão de pacientes com fibrilação atrial (FA), tipo comum de arritmia cardíaca que é uma das principais causas de AVC. Os gastos nacionais com atendimento médico e hospitalizações são estimados em US$ 449,3 milhões anuais. Ainda conforme o documento, o Brasil é o país latino-americano com os maiores índices de morte decorrente de AVC: 129.200 por ano.

De acordo com o Dr. Rubens José Gagliard, comparadas com a população em geral, as pessoas com fibrilação atrial apresentam um risco mais alto de ter um AVC e, quando o derrame ocorre nesses pacientes, os sintomas tendem a ser mais graves, levando a consequências mais sérias. “Como boa parte dos pacientes com fibrilação atrial são idosos, é comum termos um quadro com doenças crônicas associadas, como diabetes, hipertensão e atrofias musculares. Cerca de 10% dos derrames cerebrais em idosos são causados pela fibrilação atrial. Nesses casos, quando ocorre um AVC, a recuperação é mais difícil”.

A prevenção do AVC nos pacientes com fibrilação atrial passa pelo uso de medicamentos anticoagulantes. O tratamento padrão atual possui diversas limitações como a necessidade freqüente de ajuste da dose, monitoramento da coagulação por meio de exames laboratoriais e interações medicamentosas e alimentares que dificultam o prosseguimento da terapia.

O surgimento de anticoagulantes modernos como a rivaroxabana é visto como uma oportunidade de ampliar a prevenção do AVC entre os pacientes com fibrilação atrial. No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) está avaliando a aprovação da rivaroxabana, da Bayer HealthCare Pharmaceuticals) para essa indicação. “Até o momento, com apenas um tratamento padrão que possui diversas limitações, o número de pessoas beneficiadas pela prevenção está muito longe do ideal, o que deve mudar com o surgimento de fármacos de administração mais fácil”, afirma o Dr. Roberto Dischinger Miranda. De acordo com o especialista, a prevenção do AVC com uso de anticoagulantes precisa sempre ser avaliada por um médico.
                        

Derrames relacionados com a fibrilação atrial (FA) são passíveis de prevenção

O relatório do Action for Stroke Prevention ressalta a magnitude da incidência de derrames na America Latina e descreve medidas para evitar o derrame em pessoas que sofrem de FA. O diagnóstico inadequado da patologia, bem como o uso incorreto de tratamentos para anticoagulação e os efeitos colaterais dos atuais tratamentos, significam um encargo desnecessário aos pacientes, familiares e também ao sistema de saúde da região. Há medidas simples que podem evitar um número expressivo de mortes, deficiências e custos resultantes do derrame.
          

As recomendações do Action for Stroke Prevention incluem:

* Mais conscientização do impacto da FA e de derrames relacionados com a patologia;
* Desenvolver métodos para o diagnóstico prematuro e adequado da FA e avaliação dos riscos do derrame ;
* Assumir abordagens novas e melhores para evitar o derrame em pacientes com FA;
* Facilitar a troca de melhores práticas entre os governos nacionais da América Latina;
* Desenvolver estratégias para respaldar o cumprimento das diretrizes;
* Fornecer administração adequada e igualitária de tratamentos para pacientes com FA em todos os países da América Latina;
* Avançar pesquisas relacionadas com as causas, prevenção e controle da FA e abordar a atual escassez de informações de teor epidemiológico na América Latina.
                         

Sobre fibrilação atrial

FA é o ritmo cardíaco anormal mais comum e sustentado, fazendo com que as duas câmaras superiores do coração (os átrios) tenham batimentos rápidos e irregulares em vez de baterem com regularidade. Isso não permite que o sangue seja completamente bombeado, que, por sua vez, causa o entupimento no átrio. Se um coágulo de sangue sai do átrio, ele pode se alojar em uma artéria do cérebro, bloqueando o fluxo de sangue e fazendo com que o paciente sofra um derrame isquêmico. FA é responsável por 20% de todos os derrames.

Prevenir a FA em pacientes com risco de AVC, diagnosticar a doença antes de ocorrer o primeiro derrame e seguir as recomendações com relação ao uso de tratamento anticoagulantes, inclusive novas opções de tratamento potenciais, são medidas fundamentais para uma vida mais segura e saudável.
                       

Fontes

* Roberto Dischinger Miranda – Chefe do Serviço de Cardiologia da Disciplina de Geriatria da UNIFESP e presidente do Departamento de Cardiogeriatria da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC).

* Rubens José Gagliard – Professor titular de Neurologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.
               

                      
          

Sobre a rivaroxabana

A rivaroxabana é um anticoagulante oral que foi descoberto nos laboratórios da Bayer HealthCare, em Wuppertal, na Alemanha, e está sendo desenvolvido em conjunto pela Bayer HealthCare Pharmaceuticals e a Johnson & Johnson Pharmaceutical Research & Development, L.L.C. 

Essa droga já é comercializado para prevenção do tromboembolismo venoso (TEV) em pacientes adultos, após cirurgias eletivas de substituição do joelho ou quadril e é o único anticoagulante oral que tem demonstrado eficácia superior em relação à enoxaparina para esta indicação. Até o momento, a rivaroxabana foi lançada com sucesso em mais de 85 países pela Bayer HealthCare Pharmaceuticals para esta indicação.

Recentemente, o Comitê Europeu de Medicamentos para Uso Humano (CHMP) – que faz parte da Agência Europeia de Medicamentos (EMA) – recomendou a aprovação desse medicamento para a prevenção de acidente vascular cerebral (AVC) em pacientes com fibrilação atrial (FA), para o tratamento da trombose venosa profunda (TVP) e para prevenção de TVP recorrente e embolia pulmonar (EP) em pessoas que já sofreram um episódio de TVP. A decisão da Comissão Europeia deverá ser divulgada no quarto trimestre de 2011 e uma aprovação transformará esse medicamento no único anticoagulante oral disponível para pacientes adultos em três indicações em todos os países membros da UE.

A recomendação do CHMP para aprovar esse medicamento para a prevenção de AVC em pacientes com fibrilação atrial é baseada na importância dos benefícios clínicos demonstrados no ROCKET AF, um estudo global rigoroso, duplo-cego de fase III que comparou a rivaroxabana uma vez ao dia com a varfarina em mais de 14 mil pacientes. Os resultados do estudo ROCKET AF foram apresentados no Congresso da American Heart Association (AHA) em novembro de 2010 e publicados no New England Journal of Medicine, em agosto de 2011.
              

Sobre a Bayer HealthCare Pharmaceuticals

A Bayer HealthCare Pharmaceuticals, divisão da Bayer HealthCare, reúne 38 mil funcionários, em mais de 150 países e está entre as 10 maiores corporações de especialidades farmacêuticas do mundo. A Bayer HealthCare Pharmaceuticals é formada pela união mundial da Bayer e da Schering AG, oficializada em 2006. A unidade brasileira é a sua maior subsidiária na América Latina. A atuação no Brasil contempla diferentes áreas de negócio: Saúde Feminina, Medicina Especializada, Medicina Geral e Diagnósticos por Imagem.
               

*****
              

Informações à imprensa

Burson-Marsteller

Regina Ielpo – regina.ielpo@bm.com
Renata Mesquita – renata.mesquita@bm.com
Fabiana Delgado – fabiana.delgado@bm.com
Alberto Madjer –  alberto.madjer@bm.com
Renata Faila – renata.faila@bm.com 

Tel: (11) 3094-2245 / 3040-2406 /  3094-2242 / 3040-2412 / 3040-2396

 




Se você gostou deste artigo, deixe um comentário abaixo e considere
cadastrar nosso RSS, para ser notificado nas próximas atualizações do blog.

Comentários

Nenhum comentário.

Os comentários estão encerrados.