Aumenta a incidência de catarata entre jovens e crianças

Organização Mundial de Saúde estima que até 2020 cerca de 40 milhões de pessoas serão vítimas da doença
                 

Os problemas que atingem a visão avançam rapidamente com o passar dos anos, mas não é só a idade que influencia neste processo. De um modo geral, traumatismos, uso de medicamentos e até mesmo a exposição excessiva ao sol podem acelerar o aparecimento dessas patologias e atingir, inclusive, pessoas de pouca idade.

O Dr. Leonardo Akaishi revela que o número de jovens e crianças com doenças oculares têm chamado a atenção, principalmente quando se tratam de problemas mais graves, como o glaucoma e a catarata. Só no Brasil, são detectados 100 mil novos casos por ano.

Para o médico isso tem relação com a forma que as pessoas têm lidado com a saúde ocular. “O brasileiro, especificamente, tem uma característica muito peculiar quando se trata de acompanhamento oftalmológico. O número de pessoas que fazem check up anual é muito pequeno, o que acaba aumentando a incidência de doenças que poderiam ser prevenidas”.
                                   

Novo perfil de pacientes

Segundo a Dra. Cíntia Arantes, o novo perfil de pacientes com a doença é uma realidade que precisa ser considerada. “Temos recebido pacientes bem jovens nos consultórios, para tratar problemas que poderiam ser evitados, caso houvesse um acompanhamento prematuro”, garante, complementando que isso não vale para todos os casos.

“Há diversos tipos de catarata, algumas são genéticas, mas outras podem ser ocasionadas por algum tipo de lesão na visão. Neste caso, incluímos aí diversos fatores, como traumatismo, diabetes, uso de medicamentos e até mesmo alimentação equivocada e exposição excessiva ao sol.”

A especialista explica que quanto mais cedo estes casos forem diagnosticados, mais fácil é reverter o quadro, principalmente quando se trata de jovens e crianças. “Em muitas situações, há necessidade de uma cirurgia emergencial, pois é preciso restabelecer rapidamente a saúde ocular para evitar outros danos, como a Ambliopia – também conhecida como olho preguiçoso. Quanto mais precoce a operação, melhor é o resultado visual”, explica. “Por isso frisamos tanto a necessidade do check up frequente e ainda do início precoce de acompanhamento oftalmológico”, conclui a Dra. Cíntia Arantes.
            

Fontes

* Cíntia Arantes – Médica oftalmologista do departamento de catarata do ICB Oftalmologia.

* Leonardo Akaishi – Oftalmologista e presidente da Sociedade Brasileira de Catarata e Implantes Intraoculares (SBCII).

               

*****
                       

Informações para a imprensa

RP1 Comunicação Brasília
Luciana Melo – lucianamelo@rp1.com.br 
Kelly Valente – kellyvalente@rp1.com.br 
Regina Trindade – reginatrindade@rp1.com.br
Tel.: 61 3328 5687 / 3328 0665 / 9184 2937




Se você gostou deste artigo, deixe um comentário abaixo e considere
cadastrar nosso RSS, para ser notificado nas próximas atualizações do blog.

Comentários

Nenhum comentário.

Os comentários estão encerrados.