Autoridade Europeia emite parecer positivo para primeiro medicamento biológico para câncer de ovário

Parecer de Comitê da Agência Europeia de Medicamentos (EMEA) é passo importante para disponibilização do bevacizumabe para o tratamento de câncer de ovário, doença que apresentou poucos avanços na última década
                      

O Comitê de Medicamentos para Uso Humano (CHMP) da Agência Europeia de Medicamentos (EMEA) emitiu um parecer positivo para o uso de bevacizumabe para câncer de ovário. A aprovação final da Comissão Europeia é esperada para ainda este ano. A avaliação se deu no uso do bevacizumabe em combinação com quimioterapia padrão (carboplatina e paclitaxel) como tratamento de primeira linha para mulheres com câncer de ovário avançado.

O câncer de ovário é o mais mortal dos tipos de câncer ginecológicos e o mais difícil de ser diagnosticado precocemente. Aproximadamente 140.000 mulheres morrem da doença a cada ano. No Brasil, a estimativa do Instituto Nacional do Câncer (INCA) é que 3.837 pessoas sejam diagnosticadas com a doença em 2011, a maioria em estado avançado.

Em um cenário com poucos avanços na última década, bevacizumabe tem demonstrado em dois estudos de Fase III (GOG0218 e ICON7) que as mulheres que receberam a combinação de bevacizumabe e quimioterapia e que, a seguir, continuaram recebendo bevacizumabe somente, viveram mais tempo sem o agravamento da doença (sobrevida livre de progressão) em comparação com aquelas que receberam quimioterapia somente. O número passou de 10,3 meses para 14,1 meses no estudo GOG-218. No Congresso da American Society of Clinical Oncology (ASCO) 2011, foram apresentados os resultados da análise de subgrupo da população com doença avançada do ICON7 (semelhante à população do GOG218), a pedido de agência regulatória. Nessa análise, a sobrevida global foi de 28,8 meses versus 36,6 meses (p=0,002), sem e com bevacizumabe, respectivamente.

“A opinião positiva do CHMP é uma grande notícia para as mulheres com câncer de ovário avançado, que precisam de opções de tratamento mais eficazes”, disse o Dr. Hal Barron, Diretor Médico e Chefe de Desenvolvimento de Produto Global. “A aprovação do bevacizumabe seria um desenvolvimento significativo neste cenário, no qual poucos avanços de tratamento têm sido observados há mais de uma década.

“No Brasil, o medicamento aguarda aprovação por parte da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para a mesma indicação.
                                  

Sobre o câncer de ovário

O câncer de ovário é o oitavo câncer mais comumente diagnosticado em mulheres, sendo a sétima causa de morte por câncer entre as mulheres no mundo. Anualmente, mais de 220.000 mulheres são diagnosticadas com câncer de ovário em todo o mundo e aproximadamente 140 mil morrerão da doença (¹). A cirurgia para remover o máximo possível do tumor é um dos pilares do tratamento, mas, infelizmente, a maioria das pacientes são diagnosticados com a doença em estágio final (quando o câncer cresceu e se disseminou), requerendo tratamento adicional.
                   

(¹) OMS, IARC GLOBOCAN, Cancer Incidence and Mortality Worldwide in 2008.
                
                          

Sobre o Avastin®: Modo de Ação

Avastin®  é um anticorpo que se liga especificamente e bloqueia os efeitos biológicos do VEGF (fator de crescimento endotelial vascular). O VEGF é o principal motor da angiogênese do tumor – um processo fundamental necessário para o crescimento e disseminação do tumor para outras partes do corpo. O modo preciso de ação de Avastin® permite que seja combinado de forma eficaz com uma ampla gama de quimioterapias e outros tratamentos anticâncer. Avastin® ajuda a controlar o crescimento do tumor e a prolongar a sobrevida, com impacto apenas limitado sobre os efeitos colaterais da quimioterapia.
                                  

Sobre a Roche

Com sede em Basiléia, na Suíça, a Roche é uma das líderes mundiais na pesquisa de produtos para a saúde, atuando fortemente e de modo combinado nas áreas farmacêutica e de diagnóstico. A Roche é a maior empresa de biotecnologia do mundo, e tem medicamentos realmente diferenciados para as áreas de oncologia, virologia, inflamação, metabolismo e SNC. Além disso, a Roche é líder mundial em diagnóstico in vitro e no diagnóstico tecidual de câncer, e pioneira no tratamento do diabetes. A estratégia de medicina personalizada da Roche tem como foco o fornecimento de medicamentos e ferramentas de diagnóstico que possibilitem melhoras tangíveis na saúde, qualidade de vida e sobrevida dos pacientes. A Genentech, nos Estados Unidos, é uma subsidiária integral do Grupo Roche. A Roche tem participação majoritária na Chugai Pharmaceutical, do Japão.

Mais informações na página:  www.roche.com.br
               

                

*****
                      

Giselle Marques
giselle.marques@imagemcorporativa.com.br




Se você gostou deste artigo, deixe um comentário abaixo e considere
cadastrar nosso RSS, para ser notificado nas próximas atualizações do blog.

Comentários

Nenhum comentário.

Os comentários estão encerrados.