Minha primeira meia maratona

Em novembro 2010, resolvi que tinha que realizar um antigo sonho que vinha protelando há alguns anos. Sempre acompanhando o maridão nas maratonas, ironmans etc, resolvi participar também. Resolvi me desafiar em 2011.

Já havia treinado corridas na assessoria Top Sports, de novembro de 2007 a abril de 2009. Na época participei de algumas corridas de rua de 5 e 10km, mas não dei certo com a Top e resolvi sair. Continuei correndo sozinha no parque e às vezes com o marido, sem compromisso, até que conheci o “Marquinhos”, meu atual treinador. Conversamos e resolvemos começar a treinar em novembro de 2010.

Quando começamos os treinos, foi bem devagar até eu conseguir me condicionar de novo. Foi duro, não foi fácil não! Depois de alguns meses, conversando com ele, falei sobre meu sonho em estrear na Meia Maratona do Rio. Aí,  ele começo a direcionar meu treino para esse desafio, em agosto, e continuamos treinando sempre. Foram nove meses de treinos.

Marquinhos, meu fiel escudeiro, me levou até os treinos finais de 16km e, às vezes, acho que até um pouco mais. Enfim chegamos no final dos treinos e ele me disse: “Tenho certeza que você completa a meia numa boa.” Foram nove meses de ralação, muito sol,  suor, dores etc. Sim, porque as dores sempre circulam pelo nosso corpo. Uma hora é fascite plantar, outra é a coluna, outra é a panturilha. Dói tudo mesmo, mas no final, quando você está terminando a quilometragem, aquela sensação maravilhosa de ter conseguido completar é muito boa!

Fiquei surpresa comigo mesma. A disciplina que tive e a firmeza de cumprir a planilha sempre para conseguir meu objetivo no Rio.

Chegou o grande dia. Embarcamos para o Rio, o maridão e eu. Muito ansiosa, já no avião e sempre pensando, meu Deus, será que consigo completar a prova? Bom, eu pensava, se não conseguir, caminho um pouco e corro até chegar. Mas, para minha surpresa, no dia da prova, fez 17 graus, sem sol, e até com direito a uma chuvinha no inicio da prova. Compramos uns ponchos de plástico, super caros, lá em São Conrado na largada, mas foi o que nos salvou para ficarmos ali em pé aguardando a largada.

Nove horas deu a largada. Fiquei muito emocionada. Aquela multidão e eu participando daquela festa toda pela primeira vez e assim foram meus 21km. Corri direto até a chegada com direito a duas paradas (uma para foto e outra para wc). A única hora que senti um pouco foi lá pelo km18 pois não conseguia ver o retorno e foi me dando uma agonia, mas consegui superar e continuei correndo. Quando vi o km 20 foi me dando uma emoção danada de ver que enfim estava chegando ao fim e completando meu tão sonhado objetivo. Ao cruzar a linha de chegada, fiquei muito emocionada mesmo!

Eternamente grata ao meu treinador e amigo Marquinhos, que me treinou com tanta dedicação e competência, me acompanhando nos treinos longos e na prova toda e me levou direitinho à chegada como ele prometeu. Não posso também deixar de agradecer o exemplo do maridão que é um super atleta e sempre me incentivou dando força nas minhas corridas.

Impossível você ter um marido Ironman e não se contagiar, e não querer também fazer parte desse mundo do esporte. Ser atleta é ser feliz!  Durante a prova, o maridão, sempre ao meu lado, tirou fotos de todos os quilômetros, me dando força até a chegada.

Só posso terminar dizendo: OBRIGADA por tudo. Sou uma pessoa feliz e realizada por ter tido essa experiencia tão maravilhosa de conseguir vencer o desafio dos 21km! E sou privilegiada de ter  um “Ironhusband” e meu treinador correndo ao meu lado na minha primeira meia! VALEU DEMAIS!!

Como diz meu marido: “Correr cansa, mas sofá mata!” E agora vamos continuar treinando para realizar outros desafios. Não vamos desistir!!!
                 

Maria Fernanda Vieira

                   

                            




Se você gostou deste artigo, deixe um comentário abaixo e considere
cadastrar nosso RSS, para ser notificado nas próximas atualizações do blog.

Comentários

Nenhum comentário.

Os comentários estão encerrados.