H1N1 – a melhor proteção é a vacina

Enquanto as temperaturas estão baixando em todo o País, o número de casos de H1N1 continua subindo. Só no Rio Grande do Sul, já foram confirmados  96 casos, com 11 mortes. Em julho, a Secretaria de Saúde de Minas Gerais também confirmou a morte de uma pessoa por H1N1.

Dentro deste cenário, especialistas acreditam que ainda é tempo de se vacinar contra a gripe. Para o Dr. Ricardo Feijó, “A melhor proteção contra a gripe é a vacina.”

Na análise do Dr. José Geraldo Ribeiro,  a vacinação protege quem tiver contato com o vírus Influenza durante e depois do inverno e aqueles que vivem ou vão viajar para o Sul, onde o frio é intenso.
                     

Rio Grande do Sul

O médico gaúcho Ricardo Feijó acredita que o H1N1 continua fazendo vítimas no Rio Grande do Sul devido à baixa adesão inicial às campanhas de vacinação e ao rigor do inverno atual. “No ano passado, a pandemia desencadeou uma busca intensa pela vacina”, lembra. “Este ano, a informação de que o H1N1 havia se tornado um vírus da gripe sazonal levou as pessoas a pensarem que a vacinação não era necessária.”

Com as primeiras mortes por H1N1, a população voltou a procurar a vacina, o que gerou uma nova onda de imunização.  “ A baixa cobertura inicial, somada ao inverno rigoroso e à imunização tardia,  contribuiu para o aumento do casos de H1N1 não só nos grupos de risco, mas também em adolescentes, jovens e adultos”, avalia Ricardo Feijó.
                              

Vacina

Todas as pessoas maiores de seis meses devem tomar a vacina contra a gripe, afirma a  médica Sheila Homsani, gerente médica da Sanofi Pasteur, divisão de vacinas do grupo Sanofi.  “Mesmo após o período de maior circulação, o vírus da gripe pode ser  isolado e todas as cepas podem causar complicações graves.”

Além das gestantes, crianças menores de dois anos e grupos de risco que recebem a vacina gratuitamente na rede pública, os asmáticos são um dos grupos mais afetados pelas complicações da gripe. A vacina reduz a taxa de hospitalizações e uso de medicamentos neste grupo entre 60 e 80%.

Este ano o brasileiro tem mais de uma opção de vacina da gripe. A mais nova é a primeira vacina contra a gripe com microinjeção. Ela é conhecida internacionalmente como IDflu. Sua agulha é quase imperceptível: tem 1,5 milímetro, dez vezes menor que a da intramuscular. Ela é aplicada na derme, a segunda camada da pele, área rica em células denominadas dendríticas, que são essenciais para estimular uma resposta imunológica eficaz.

Por ser menos invasiva, esta nova vacina é ideal para as pessoas que resistem a tomar injeção. Ela é recomendada para adultos entre 18 a 59 anos, já vem na seringa pré-enchida, pronta para uso, e possui um sistema de segurança exclusivo que evita acidentes e reutilização.
                           

Fontes

* Ricardo Feijó – Médico, professor adjunto de Pediatria da UFRGS.

* José Geraldo Ribeiro – Mestre em Infectologia,  professor de Medicina Preventiva da Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais.
                              

*****
                                 

Informações para a imprensa

Nora Ferreira – Lu Fernandes Comunicação e Imprensa.
 Av. Pedroso de Moraes 631 / conj 111 . São Paulo . CEP: 05419-000
Tel.: 55 11 3814.4600
E-mail: escritorio@lufernandes.com.br




Se você gostou deste artigo, deixe um comentário abaixo e considere
cadastrar nosso RSS, para ser notificado nas próximas atualizações do blog.

Comentários

Nenhum comentário.

Os comentários estão encerrados.