Perigo – não deixe seu inalador virar um foco de contaminação

Medidas como higienização diária e cuidados com a medicação são essenciais para garantir a segurança do tratamento.

Os nebulizadores, ou inaladores, como são chamados popularmente, são dispositivos que auxiliam no tratamento de doenças respiratórias graves, como a asma e a fibrose cística. Também são utilizados em problemas respiratórios eventuais e que não exigem uso contínuo, entre eles as gripes, resfriados e pneumonias. A principal vantagem na sua utilização é a administração de medicamentos diretamente nos pulmões, além da fluidificação das secreções.

“No inalador, também é possível associar vários medicamentos, com efeitos e funções diferentes. Além disso, podemos aumentar ou diminuir suas doses, conforme o paciente e o caso”, ressalta o Dr. José Eduardo Delfini Cançado, presidente da Sociedade Paulista de Pneumologia e Tisiologia (SPPT).

A despeito de muito comuns na rotina de pacientes com distúrbios respiratórios, pouco se fala do risco de contaminação por falta de higiene inadequada. Até mesmo os fabricantes não incluem no manual de instruções as orientações para desinfecção. Vale registrar que a higienização adequada não interfere na eficácia do aparelho. Além da solução medicamentosa, a máscara e o copo reservatório são consideráveis fontes de contaminação quando não realizada a limpeza ideal. Aliás, são autênticas portas de entrada para uma doença respiratória.

Uma das bactérias que pode se instalar no inalador é o Pseudomonas aeruginosa, responsável por infecções respiratórias e pneumonias. Chega a contaminar 35% dos nebulizadores de portadores de fibrose cística.

Os dados dos usuários freqüentes reforçam a preocupação: apenas 15% dos pacientes crônicos, portadores de fibrose cística, utilizam rotineiramente alguma técnica de desinfecção de seus nebulizadores. Já entre os asmáticos, somente 62,5% deles limpam seus aparelhos e acessórios diariamente.

“A ação do nebulizador é transformar o medicamento em pequenas partículas e possibilitar a sua penetração nos pulmões. Se não houver uma higienização correta, fungos e bactérias podem acompanhar a medicação. Então, o que deveria servir de aliado no tratamento pode virar um grande vilão”, alerta Dra. Maria Helena Bussamra, pneumologista pediátrica da Sociedade Paulista de Pneumologia e Tisiologia (SPPT).

 

Eliminando a sujeira

Não há um padrão na higienização, mas existem consensos médicos sobre a melhor forma de limpar. Antes de manusear o equipamento e a medicação é preciso lavar bem as mãos. Logo após, deve-se lavar com sabão neutro e secar bem. Como o nebulizador é de material plástico e permanece em ambiente úmido – é preciso água para seu uso -, a dica é lavar com água sanitária na concentração de 0,05%, de acordo com as normas do Ministério da Saúde, o que oferece desinfecção, eliminação de fungos e de bactérias.

“Recomendamos ligar o jato de ar antes de guardar o nebulizador para que o sistema fique bem enxuto. Uma dica importante: tanto o uso contínuo quanto a utilização em prazo curto exigem limpeza diária. Na utilização contínua, vale frisar, o certo é ter dois nebulizadores e usar de forma alternada, fazendo a higienização sempre no fim do dia. Além disso, o nebulizador não deve ser compartilhado com ninguém”.

 

Programas de educação para a população amenizam o problema

De acordo com a especialista, projetos educativos são medidas baratas e eficazes para que os pacientes portadores de doenças crônicas tenham habilidade técnica no uso e higiene do nebulizador, com possível impacto na evolução da doença e na qualidade de vida.

 

Como preparar a solução para desinfecção do nebulizador

- 25ml de hipoclorito 2% (água sanitária comercializada)

- 975ml de água fervida

Esta solução se mantém estável por 6 horas – hipoclorito 0,05%

 

Desinfecção

Lavar o copo de nebulização e a máscara com água e detergente neutro Secar
Imersão na solução de hipoclorito por 30 minutos
Não enxaguar
Secar com pano limpo ou naturalmente

A extensão do sistema, que liga o copo ao compressor, pode ser limpa com álcool 70%. Recomenda-se montar o circuito e ligar o compressor de ar para secar o sistema antes de guardá-lo.

 

Informações adicionais

Acontece Comunicação e Notícias

Karina Lopes/ Chico Damaso

(11) 3871-2331 / 3873-6083

www.acontecenoticias.com.br

acontece@acontecenoticias.com.br




Se você gostou deste artigo, deixe um comentário abaixo e considere
cadastrar nosso RSS, para ser notificado nas próximas atualizações do blog.

Comentários

Foi muito útil as informações.
Obrigada

Esta informação foi muito útil, uma vez que nem no próprio manual é explicado como devemos fazer a devida desinfecção. Eu só não sabia que deveria ter usado água fervida, mas coloquei de molho na água sanitária e água como. Muito obrigada!

Karina/Damasco
Experimentei seguir essa instruçao de voces ,mas , me dei mal porque se nao enxaguar os inaladores apos tira-los da soluçao de hipoclorito o cheiro permace e a soluçao da inalaçao fica expumando quando liga o oxigenio.
Peço a gentileza de rever esse ponto porque o hipoclorito fica empregnado no plastico.Havia uma orientaçao da SMS tempos atras que aconselhava tirar os inaladores da soluçao ,lavar em agua corrente e ainda deixar imerso em um balde de agua limpa por dez minutos.

Obrigado pela atençao ,aguardo resposta,

Antonio

obrigada, não sabi que era assim ,eu fervia todo por 15 minuto,agora ja sei…….bjs

Não seria melhor para nos leigo se as medidas de água e água sanitária fossem indicadas em medidas mais populares como colher de chá ou sopa e um litro ou dois de água. No mais está tudo ótimo.

Obrigada por essas informações que são muito importantes..

Muitissimo util ! Eu sabia que deveria fazer , mas nao sabia como .

Valeu! Gostei muito dessa informação. Tenho um aparelho em casa e não sabia como higienizá-lo. Obrigada!

Os comentários estão encerrados.