Avaliação clínica para a prática esportiva

I1238_1.jpgOs benefícios que os exercícios físicos trazem para a saúde dos indivíduos já estão mais que estabelecidos e demonstrados através de investigações clínicas e laboratoriais, realizadas em seres humanos e animais. Quase todas as pessoas, em todas as faixas etárias, podem se beneficiar de algum tipo de exercício físico. Mesmo os portadores de doenças crônico-degenerativas, quando participam de programas especiais de exercícios físicos, melhoram em muito sua qualidade de vida, muitas vezes tendo uma capacidade funcional igual ou mesmo superior a indivíduos sadios e totalmente sedentários.

Porém, com o número cada vez maior de pessoas que participam de programas de exercícios físicos, seja como lazer ou tendo como objetivo participar de competições, uma população de risco pode estar sujeita a complicações causadas por exercícios físicos que seriam contra-indicados relativa ou absolutamente naquele momento. A avaliação pré-participação em exercícios deve ser física e clínica.

A avaliação clínica vai depender dos objetivos do indivíduo, tais como: lazer, perda de peso e controle de outros fatores de risco coronariano, controle do estresse, competição a vários níveis ou reabilitação cardiovascular.

Um dado importante é que a avaliação clínica deverá ser a mais individual possível e variar de acordo com os recursos disponíveis, o objetivo a ser alcançado e o poder aquisitivo do avaliado. Seja qual for o objetivo, a avaliação clínica para a prática de esportes deve visar a segurança do participante, que dificilmente estará inapto totalmente para a prática de todo e qualquer tipo de exercício físico. Logicamente, os portadores de doenças agudas – ou em fase de descompensação – deverão primeiramente ter resolvido os seus problemas de saúde para depois iniciarem a pratica de exercícios fiscos.

 

O exame clínico

O exame clínico deverá ser feito por médico clínico ou cardiologista, de preferência que tenha experiência e conhecimentos relativos ao exercício físico e sua aplicação clínica diária. A medicina esportiva é uma das especialidades que mais tem evoluído nos últimos anos.

O exame clínico deverá constar de:

1. História clínica ou anamnese – resumo dos antecedentes pessoais, hábitos de vida, antecedentes familiares, participação pregressa em atividades esportivas, uso de medicação e qualquer queixa relativa aos mais diversos sistemas que compõem o nosso organismo: sistema cardiovascular, sistema respiratório, sistema osteo-muscular, digestivo, etc;

2. Exame físico – deverá ser feito um exame físico geral, com atenção especial aos exames do aparelho cárdio-respiratório, osteo-muscular e tomada da pressão arterial;

3. Exames e testes de laboratório – aqui, a individualidade é primordial e até a idade deve ser levada em conta. Podem ser solicitados exames de sangue, urina e fezes. O tipo de exame solicitado vai depender do histórico pessoal e dos achados do exame físico.

Eletrocardiograma de repouso

Deve ser solicitado para os que têm algum sintoma ou achado no exame clínico sugestivo de cardiopatia, principalmente se nunca praticaram esporte. Os indivíduos abaixo de 30 anos com antecedentes individuais ou familiares de doenças cardíacas também devem realizá-lo.

 

Eletrocardiograma de esforço

Deve ser realizado por todos acima de 35 anos, principalmente aqueles portadores de dois ou mais fatores de risco coronariano: hipertensão arterial, níveis elevados de colesterol ou triglicerídeos, tabagismo, diabetes, obesidade e histórico familiar de doenças do coração.

 

Ecocardiograma

Deve ser realizado pelos portadores de hipertensão arterial, pelos que têm histórico familiar de morte súbita e os portadores de sopro constatável ao exame físico. É importante para detectar algumas cardiopatias estruturais, que são correlacionadas com morte súbita durante a prática esportiva.

 

Testes ergo-espirométricos

É um tipo de teste ergométrico um pouco mais sofisticado. Nesse teste, além da análise dos parâmetros que são feitos no teste de esforço convencional, também é feita a análise dos gases da respiração com a finalidade de detectar alguns limiares como a passagem do metabolismo aeróbio para anaeróbio. Com isso, os exercícios podem ser prescritos dentro de limites mais precisos, o que tem muita importância, principalmente nos cardiopatas que fazem uso de medicação que alteram as respostas hemodinâmicas durante o teste convencional. Também são bastante úteis para acompanhar a evolução do treinamento. O inconveniente é o preço da aparelhagem, o que torna esse exame fora do alcance de grande parte da população.

 

Medidas antropométricas e composição corporal

São medidas que visam avaliar o percentual de gordura do organismo, muito importante para atletas e para aqueles que estão visando o controle de peso. Elas fazem parte da avaliação física.

O médico avaliador deverá atestar o grau de aptidão individual para a prática de exercícios físicos e também deverá encaminhar o indivíduo para médicos de outras especialidades, caso no exame inicial seja encontrada alguma anormalidade que se justifique. Na prescrição e no acompanhamento do exercício físico, também têm papel preponderante os professores de educação física, os nutricionistas e, em casos específicos, os fisioterapeutas.

 

Fonte:

 Pedro Carrusca Britto – Médico formado pela Faculdade de Ciência da Saúde da Universidade de Brasília (1976); Residente em cardiologia de 1977 a 1980 no Hospital das Forças Armadas; Pós-graduado em Reabilitação Cardiovascular e Ergometria na Universidade da Califórnia – Los Angeles (USA); Médico cardiologista aposentado do Banco do Brasil, onde coordenou programas de prevenção primária, secundária e terciária de cardiopatias; Ex-diretor médico da Maratona de Brasília de 1991 a 1994; Ex-presidente do COBRA – Corredores de Rua de Brasília; Coordenador do Núcleo de Hipertensão Arterial do Hospital de Base de Brasília; praticante de corridas de rua (10 Km e maratonas), natação e ciclismo como lazer.

Leia o texto em:
Pedro Carrusca Britto – Avaliação Clínica para a Prática Desportiva in Atividade Física Passo a Passo, Theraurus Editora, Brasília, 2002.




Se você gostou deste artigo, deixe um comentário abaixo e considere
cadastrar nosso RSS, para ser notificado nas próximas atualizações do blog.

Comentários

Boa Tarde,
Preciso do orçamento para exame médico para esportista,são 240 praticantes.

Preciso disso urgente, se possível para hoje.

Obrigada
Liga Nacional de Taekwondo

Boa tarde!
Sou professor de judô e estou exigindo o exame clínico para a prática da modalidade. Peço que no atestado contenha o prazo de validade do exame (03 meses, 06 meses ou 01 ano), porém a grande maioria dos médicos não coloca este item no atestado.
Minha dúvida é se existe alguma lei que exija que o médico coloque o prazo de validade e, caso isso não seja obrigatório, por quanto tempo posso considerar válido o atestado?
Se puderem me dar um breve retorno, agradeço.
Muito obrigado!

Zé Mauro.

Os comentários estão encerrados.