Distúrbio Androgênico do Envelhecimento Masculino

27 /09 Dia Internacional do Idoso

Envelhecimento aumenta indicência da osteoporose masculina.

Reposição hormonal contribui para minimizar a perda da densidade óssea no homem com Distúrbio Androgênico do Envelhecimento Masculino (DAEM).

O aumento da longevidade e estilos de vida mais sedentários têm causado mudanças na saúde da população. A osteoporose (doença que fragiliza os ossos e facilita a ocorrência de fraturas e suas complicações), por exemplo, foi considerada uma doença feminina por muito tempo, mas atualmente ela vem avançando na população masculina. “Na mulher, a doença tem origem hormonal; mas no homem ela surge no processo de envelhecimento e com a diminuição dos níveis do hormônio mais importante do homem, a testosterona”, esclarece o endocrinologista, Dr. Daniel Raicher.

A osteoporose se manifesta de forma diferente em homens e mulheres. No homem a mortalidade e vulnerabilidade em fraturas do fêmur são o dobro do que nas mulheres. Entre 20% a 25% dos portadores de osteoporose sofrem fraturas no fêmur, além de ocorrer uma perda significativa de ossos corticais (de 2% a 4%) a partir dos 40 anos, e de ossos trabeculares (coluna vertebral) (de 7% a 12%) a partir dos 30 anos. Essas fraturas podem causar deformidades nos quadris e na coluna, além de dificuldades de locomoção.

Normalmente, a doença se revela, em média, por volta dos 75 anos no homem – cerca de 10 anos mais tarde do que a média feminina. Nos homens, além da questão hereditária, osteoporose pode ser provocada pela falta de testosterona. A produção deste hormônio costuma diminuir, de forma discreta, quando os homens ultrapassam os 50 anos. Depois dos 40 anos, a testosterona diminui cerca de 1% ao ano, entretanto, quando essa queda é acentuada, causa o diagnóstico do fenômeno denominado Distúrbio Androgênico do Envelhecimento Masculino (DAEM), ou hipogonadismo. “Nestes casos é preciso tratar também a DAEM para melhorar o controle da osteoporose”, conta Dr. Daniel.

O DAEM é o resultado das disfunções sexuais e dos problemas físicos provocados pela diminuição do nível de testosterona que atinge homens com mais de 40 anos. Além de aumentar a incidência da osteoporose masculina, o distúrbio provoca ganho de peso, alterações no humor, irritabilidade, depressão, diminuição da libido (desejo sexual) e da massa muscular; aumenta a sensação de cansaço, desânimo, disfunção erétil e mudanças na textura da pele.

“O ideal é que o homem consulte um especialista anualmente e, juntos, possam traçar procedimentos e ações que previnam e que tratem as doenças. Assim ele garante mais qualidade de vida”, aconselha o especialista. No caso da osteoporose é necessária avaliar a densidade óssea, já os níveis de testosterona são aferidos nos exames de sangue.

Uma alimentação rica em cálcio e exercícios físicos regulares contribui para prevenir a osteoporose. Já o DAEM pode ser minimizado por meio da reposição hormonal. “Não se trata de suplementação hormonal em níveis acima do normal, mas de repor o hormônio de forma estudada e de acordo com cada caso”, complementa.

A reposição hormonal melhora a capacidade cognitiva, a memória, a disposição física e a função sexual; além de contribuir para a diminuição do percentual de gordura corporal e a circunferência abdominal. No Brasil, a terapia mais utilizada é a injetável. O undecilato de testosterona, princípio ativo do Nebidoâ – medicamento de saúde masculina da Bayer Schering Pharma, representa uma grande evolução no tratamento da DAEM, pois permite a administração de doses trimestrais, evita os picos hormonais e as alterações de humor.

Faça o teste e conheça os sintomas do DAEM

1. Redução da sensação de bem-estar geral (estado de saúde geral);

( ) nenhum ( ) pouco ( ) moderado ( ) grave ( ) muito grave

2. Dores nas articulações e dores musculares (dores na coluna, nas articulações, nos membros, nas costas);

( ) nenhum ( ) pouco ( ) moderado ( ) grave ( ) muito grave

3. Suor intenso (sudorese intensa, suor repentino e grave, ondas de calor mesmo sem fazer esforço físico);

( ) nenhum ( ) pouco ( ) moderado ( ) grave ( ) muito grave

4. Alterações do sono (dificuldade para dormir, acorda várias vezes durante a noite, acorda muito cedo e cansado, dorme mal, tem insônia, sono agitado);

( ) nenhum ( ) pouco ( ) moderado ( ) grave ( ) muito grave

5. Está sempre cansado, sempre quer dormir;

( ) nenhum ( ) pouco ( ) moderado ( ) grave ( ) muito grave

6.Irritabilidade (agressividade, irritação por coisas insignificantes, humor instável);

( ) nenhum ( ) pouco ( ) moderado ( ) grave ( ) muito grave

7.Sensação de medo (receio, pânico);

( ) nenhum ( ) pouco ( ) moderado ( ) grave ( ) muito grave

8. Nervosismo (ansiedade excessiva, intranqüilidade, inquietação);

( ) nenhum ( ) pouco ( ) moderado ( ) grave ( ) muito grave

9. Esgotamento físico/diminuição da força ativa (diminuição geral da atividade,falta de vontade, sensação de estar rendendo menos, desânimo, sensação de que tudo que faz é por obrigação);

( ) nenhum ( ) pouco ( ) moderado ( ) grave ( ) muito grave

10. Diminuição da força muscular;

( ) nenhum ( ) pouco ( ) moderado ( ) grave ( ) muito grave

11. Estado depressivo (falta de ânimo, tristeza, falta de iniciativa, alterações do humor, sensação de que nada vale a pena);

( ) nenhum ( ) pouco ( ) moderado ( ) grave ( ) muito grave

12. Sensação de que o ponto culminante da vida já passou;

( ) nenhum ( ) pouco ( ) moderado ( ) grave ( ) muito grave

13. Sentimento de esgotamento emocional; sente que chegou ao ponto mais baixo;

( ) nenhum ( ) pouco ( ) moderado ( ) grave ( ) muito grave

14. Diminuição no crescimento da barba;

( ) nenhum ( ) pouco ( ) moderado ( ) grave ( ) muito grave

15. Diminuição no desempenho sexual (freqüência ou capacidade de ter relações sexuais);

( ) nenhum ( ) pouco ( ) moderado ( ) grave ( ) muito grave

16. Diminuição das ereções matinais (pênis não amanhece rígido);

( ) nenhum ( ) pouco ( ) moderado ( ) grave ( ) muito grave

17. Diminuição da vontade do desejo sexual (libido) (ausência de prazer no sexo, falta de vontade de ter relações sexuais);

( ) nenhum ( ) pouco ( ) moderado ( ) grave ( ) muito grave

O *Questionário AMS – Aging Male´s Symptoms (Sintomas no Homem Maduro) é uma ferramenta para auxiliar no diagnóstico da DAEM, ou hipogonadismo.

Após preenchido o teste, é recomendável a procura por um especialista de sua confiança, para avaliação do resultado e orientações clínicas adequadas.

*Fonte: www.eutesto.com.br

Informações:

Ketchum Estratégia Assessoria de Comunicação
Carlos Lima e Guilherme Oliveira
55 11 5096.4334 ramais 217 e 260
s carlos.lima@ketchum.com.br
s guilherme.oliveira@ketchum.com.br




Se você gostou deste artigo, deixe um comentário abaixo e considere
cadastrar nosso RSS, para ser notificado nas próximas atualizações do blog.

Comentários

Gostaria de saber qual especialidade médica procuro para fazer a reposição hormonal, pois tenho sentido muitos sintomas dos avaliados no teste e inclusive ando tomando antidepressivos. Quero tentar a reposição para ver se me dá uma melhora se levanto o meu astral, estou impotente e muito irritado, ando depressivo e outros sintomas do teste. Grato. Aguardo resposta

Meu avó tem 93 anos, sempre foi bastante saudável, há cerca de 3 meses tem apresentado sudorese noturna intensa, acompanhada de sensação de frio mesmo em ambiente quente, fadiga, anemia e leucopenia. Fomos a vários médicos, mas não há diagnóstico. Vc poderia nos ajudar.
Agradeço desde já sua atenção.
Sheila Tabosa

Tive problemas de depressão e até começo de sindrome do pânico.
Minha libido baixou muito nesta época.
Hoje percebo que melhorou muito pouco minha libido. E tenho um pouco de depressão.
Será que posso ir me consultar com um médido para verificar se tenho DAEM?

Tenho buscado entender o q acontece c meu marido para me ajudar sendo bem franca e ajudá-lo.Eu o amo muito e ainda tenho forças p acreditar pois tenho Jesus como meu Senhor, pois é, acreditar q tem um recurso.Ele tem a necessidade de se relacionar c outras mulheres e chegou a conclusão q isso é um vício.E as vezes assim q ele termina um ato sexual, ele quer q aquela pessoa desapareça, mas as vezes senti a necessidade de manter um relacionamento extraconjugal c a tal.É evidente q eu como esposa ñ quero q isso continue.Mas quero e preciso entender o q está acontecendo apesar de saber q envolve o lado espiritual porque isso não vem de Deus e não é totalmente humano,nenhum vício é.Procurei saber sobre ninfomaníaco, mas essa palavra nem existe, existe ninfomania(da fêmea) e qdo se trata do homem(macho), qual é o nome?Espero a resposta e muito obrigada.

Os comentários estão encerrados.