Teste da Orelhinha

Apesar de pouco divulgado, o teste da orelhinha é tão importante quanto o teste do pezinho, podendo identificar estágios de surdez e permitir que crianças tenham um melhor convívio social. Um bebê com algum grau de deficiência auditiva, protetisado antes dos seis meses de vida, pode responder aos estímulos sonoros e se desenvolver como uma criança que ouve normalmente.

Teste da Orelhinha, você já ouviu falar?

Pouco divulgado, o teste da orelhinha é tão importante quanto o teste do pezinho, podendo identificar a deficiência auditiva em bebês e, assim, viabilizar o tratamento necessário para uma vida normal.

A deficiência auditiva é a doença mais encontrada no período neonatal, quando comparada a outras já rotineiramente identificadas no momento do nascimento. Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), 1,5% da população dos países em desenvolvimento sofre de algum tipo de alteração auditiva. Quando confrontamos dados sobre as doenças que podem ser detectadas nos primeiros momentos de vida, observamos que duas em cada dez mil crianças nascem com problemas que são diagnosticados pelo teste do pezinho, enquanto que a surdez atinge trinta em cada dez mil. Levando essa alta incidência, o teste da orelhinha é empregado nas maternidades com o objetivo de minimizar os danos causados pelo diagnóstico tardio, ainda muito freqüente.

De acordo com o Grupo de Apoio à Triagem Auditiva Neonatal Universal (Gatanu), a audição é fundamental para o desenvolvimento da fala e da linguagem. A realização da triagem auditiva neonatal de rotina , ou “teste da orelhinha”, é a única maneira para se de detectar precocemente alterações auditivas que poderão interferir na qualidade de vida do indivíduo. Além desse procedimento, deve-se realizar o diagnóstico, protetização (utilização de aparelho auditivo) e intervenção precoces. Os primeiros seis meses de vida são decisivos para o desenvolvimento da criança que sofre de deficiência auditiva.

“Um bebê com algum grau de deficiência auditiva, protetisado antes dos seis meses de vida, pode responder aos estímulos sonoros e desenvolver a linguagem como uma criança que ouve normalmente. Desse modo, poderá ter um convívio social normal podendo até mesmo freqüentar uma escola convencional”, afirma a Dra. Fernanda Moreira, fonoaudióloga integrante do Programa de Triagem Auditiva Neonatal do Hospital San Paolo.

A triagem auditiva neonatal universal consiste no rastreamento auditivo realizado antes da alta hospitalar e é recomendada para que todos os casos de deficiência auditiva possam ser identificados precocemente, tendo, assim, a possibilidade de um início de vida sonoro sem prejuízos. Hoje, sabe-se que ela pode fazer a diferença na vida de uma criança.

Pensando no bem estar de seus bebês, o Hospital San Paolo, desde 2006, implantou o Programa de Triagem Auditiva Neonatal em seu berçário. “O teste da orelhinha, denominado emissões otoacústicas, avalia a reação das células auditivas externas da cóclea (órgão sensorial da audição) em respostas a estímulos auditivos suaves. Demora de cinco a dez minutos e é feito pela fonoaudióloga no berçário durante o sono natural do bebê”, explica a especialista.

Dra. Fernanda Moreira é fonoaudióloga do Hospital San Paolo, e participa do Programa de Triagem Auditiva Neonatal do hospital.

*********************
Leilane Vasconcelos
IMAGEPRESS – Assessoria de Imprensa
(11) 3951-3371/ (11) 3966-8327/ (11) 3858-7061
leilane@imageassessoria.com.br

http://www.imageassessoria.com.br




Se você gostou deste artigo, deixe um comentário abaixo e considere
cadastrar nosso RSS, para ser notificado nas próximas atualizações do blog.

Comentários

Dra. Fernanda tenho um filho de 5 anos e 10 meses que está fazendo terapia com fonodiologa por diagnostico de troca de fonemas a terapia já esta com 1 ano vejo que ele já melhorou bastante mas ainda não fala normalmente ainda troca alguns fonemas segundo a fono que faz o acompanhamento com ele esta dentro do normal tenho casos na família de crianças com esse mesmo problema q tem relação familiar já fez audiometria e imanci não foi detectado nenhuma alteração auditiva como ele ainda nao é alfabetizado não foi feito o exame para detectar falha no processamento auditivo gostaria da sua opinião.se tem mais alguma coisa a ser feita ele ou se o que esta sendo feito é o correto e a unica opção. Gostaria muito que voce me respondesse com a sua experiência.

olhaaaaaaaaa
eu nao sei como que se faz esse teste ta!!!!
e vcs deveriam colocar um ”botao”
para saber como que se faz o teste
desculpe pela iguinorancia + e precissso isso faz parte nessa internet

Os comentários estão encerrados.