Esteatose hepática – doença gordurosa do fígado

Dados da Vigilância de Fatores de Risco à Saúde do Governo Federal, Vigitel, divulgados no dia 15 de março, com destaque nos mais importantes veículos de comunicação do País, mostram que 43% dos brasileiros têm excesso de peso e, destes, 11,4% são obesos. Muito se fala das doenças que a obesidade pode causar, mas uma delas, é quase sempre esquecida: a esteatose ou doença gordurosa do fígado.

O fígado é um órgão que sofre calado. Quando mal tratado pela ingestão abusiva de alimentos gordurosos pode ser acometido por essa doença que aumenta assustadoramente em todo o mundo, inclusive no Brasil, e já é considerada um problema de saúde pública.

Estamos em uma boa época para advertir a população em geral sobre os males da obesidade. Com a proximidade da Páscoa, aumenta o consumo de chocolate em todas as faixas etárias e em diferentes camadas sociais da população. Em excesso, é um dos fatores que leva ao sobrepeso e, consequentemente, poderá levar o indivíduo, em alguns casos, a desenvolver a esteato-hepatite.

Conhecida popularmente como gordura no fígado, por ser uma doença silenciosa, assintomática é perigosa e até mesmo fatal. O acúmulo de gordura no fígado, mesmo sem ingestão alcoólica, pode causar cirrose e, em alguns casos, até mesmo câncer de fígado.

Sabe-se que a esteato-hepatite acomete crianças acima dos 10 anos de idade, como também adultos situados na faixa etária entre 20 e 60 anos. O sexo feminino é o mais comprometido (60 a 80%) e mulheres diabéticas com idade superior a 50 anos teriam um maior risco de desenvolver a doença.

 
Você sabia que a gordura infiltra e lesa seu fígado?

O acúmulo de gotículas de gordura dentro das células do fígado é a mais freqüente alteração do órgão, causando a esteatose.

A chamada “doença gordurosa do fígado”, também conhecida como esteatose ou esteato-hepatite, está presente em indivíduos obesos, com colesterol ou triglicérides elevados ou com diabetes. Por ser uma doença silenciosa, pode ser perigosa e até mesmo fatal. O acúmulo de gordura no fígado, mesmo sem ingestão alcoólica, pode causar cirrose e, em alguns casos, até mesmo câncer de fígado.

É a alteração no fígado mais freqüente em todo o mundo, ocorrendo em crianças e adultos. Nos EUA, onde a população engordou muito, é conhecida como fatty liver (fígado gorduroso), estando presente em 20% da população geral e em até 40% das pessoas a partir de 50 anos! É potencialmente reversível, se suas causas forem diagnosticadas e corrigidas. Por outro lado, se progredir e se associar a um pouco de inflamação, causa cirrose em 15 a 20% dos casos, ao longo dos anos. Causando cirrose, pode também causar câncer do fígado.

A possibilidade de esteatose torna-se ainda mais preocupante, no Brasil, pelo significativo aumento da taxa de crianças e jovens com excesso de peso nos últimos 28 anos, alcançando já 16,7% na faixa de 10 a 19 anos de idade. Isto corresponde a 5,9 milhões de jovens, segundo dados recentes do IBGE. Além disso, 43% dos brasileiros têm excesso de peso, 11% estão obesos, e quase 30% dos adultos são sedentários.

Nas pessoas com o “fígado gorduroso”, há um fenômeno chamado “resistência insulínica”, que desencadeia a infiltração de gotículas de gordura nas células do fígado e vários mecanismos imunológicos que levam à lesão das mesmas, como se elas fossem corpos estranhos ao organismo, provocando o surgimento de inflamação e cicatrizes. Daí pode advir a cirrose.

A esteatose hepática está, pois, frequentemente associada à “Síndrome metabólica”, cujos principais componentes são a obesidade central (em que a gordura se acumula predominantemente no abdome), o diabetes tipo 2, a dislipidemia (aumento do colesterol ou dos triglicérides) e a hipertensão arterial.

Os tratamentos indicados para este tipo de doença são a perda de peso a partir de uma dieta elaborada, os exercícios físicos regulares e moderados e se necessário, correção dos níveis da glicose (se há diabetes), colesterol e triglicérides com a ajuda de medicamentos. Vários outros medicamentos estão sendo pesquisados para o controle da “doença gordurosa do fígado”.

Conheça o livro foi inspirado nesta matéria

Livro Fígado Gorduroso, uma abordadem pedagógica.

Organizado por Marcos Vinhal, o livro conta com a participação de endocrinologistas, hepatologistas, nutricionistas e educadores físicos e tem como objetivo promover a discussão e sistematizar o conhecimento acerca da doença Estateose Hepática, de forma didática e infomativa.

Disponível para vendas no site da Editora Thesaurus, por R$ 30,00.

Diretoria:

Dr. João Galizzi Filho, médico hepatologista, reside e tem consultório em Belo Horizonte, Presidente da Sociedade Brasileira de Hepatologia (biênio 2005-2007), formado em Medicina pela Faculdade de Medicina da U.F.M.G., Especialista em Hepatologia pela Universidade de Londres, Inglaterra (Serviço da Profa. Sheila Sherlock), Professor Adjunto da Faculdade de Medicina da U.F.M.G., Mestre em Medicina Tropical pela U.F.M.G., Membro Titular da Academia Mineira de Medicina.

Prof. Dr. Hoel Sette, médico hepatologista, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Hepatologia (biênio 2005-2007), formado em medicina pela Universidade Federal de Pernambuco em 1970, pós-doutorado em hepatologia na Universidade de Londres no Kings College School of Medicine, médico assistente da Divisão de Clínica Cirúrgica I do Serviço de Cirurgia de Fígado do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

Dra. Edna Strauss, hepatologista, professora da Faculdade de Medicina da USP, onde dá aulas no curso de pós-graduação. Ela presidiu o XVIII Congresso Brasileiro de Hepatologia. É representante da Sociedade Brasileira de Hepatologia junto à Associação Médica Brasileira, membro do Conselho Consultivo da Sociedade Brasileira de Hepatologia, que presidiu até 20 de outubro de 2005. Reside e tem consultório em São Paulo, capital.

Dr. Ângelo Alves de Mattos, médico hepatologista, Presidente Eleito da Sociedade Brasileira de Hepatologia (biênio 2007-2009), formado em Medicina pela Faculdade de Medicina da Fundação Universitária de Rio Grande, Residência Médica em Gastroenterologia pela Fundação Faculdade Federal de Ciências Médicas de Porto Alegre (FFFCMPA), Mestrado em Gastroenterologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Doutorado em Medicina pela Escola Paulista de Medicina, Livre Docente em Gastroenterologia pela FFFCMPA, Professor Titular da Disciplina de Gastroenterologia da FFFCMPA e Professor Titular do Curso de Pós-Graduação em Hepatologia da FFFCMPA. Reside e tem consultório em Porto Alegre, RS.

MAJMALUF Assessoria de Comunicação
Rua Paes de Araujo, 29. Cj.103
CEP. 04531-090 São Paulo SP
É : (11) 3078-4690 – FAX: (11) 3168-4189
e-mail: majmaluf@uol.com.br
site: www.majmaluf.com.br




Se você gostou deste artigo, deixe um comentário abaixo e considere
cadastrar nosso RSS, para ser notificado nas próximas atualizações do blog.

Comentários

Descobri que tinha esteatose leve não alcoolica há3 anos,atraves de exames de rotina, mas nunca fiz nada para modificar esse quadro.Tenho obesdade e hipertensão! e só qdo os sintomas apareceram, como dores abdominais e digestão dificil, que resolvi procurar um hepatologista. Agora a esteatose ja está em grau moderado. Além do tratamento medico que vou fazer, gostaria q me indicasse um tratamento alternativo com ervas! Obrigada

olá tenho 34 anos descobri que tenho esteotose hepática 3 grau,gostaria de saber se existe um remédio caseiro pra queima gordura no figado e quanto tempo dura o tratamento estou muito nervosa muito obrigada. érica mogi guaçu sp

Fiz uma ultra-sonografia estou com acentuado grau de esteatose., existe remédio ou procedimento,para uma melhora.

Convivo com o virus da hepatite C cronica a 15 anos. e controlei a mesma atraves de visitas periodicas a Gastros e Hepatologos,inclusive bebendo socialmente e comendo de tudo. ocorre que Atualmente virou Esteatose Grau 1 e apos orientação medica iniciarei rigoroso regime .Eliminando frituras,carne vermelha,leite ,ovos ,alcool, e qualquer tipo de embutido. Pela minha experiencia acho que daqui uns tres meses deverei ter baixado os niveis de gordura.Muito exercicio fisico é recomendavel. Boa sorte.

tenho gordura no figado e hernia de hiato gostaria de saber se eu posso comer jurubeba e outros amargos,e chá de é bom mesmo, obrigado abrsss!!!

gostaria de saber se o medicamento METADOXIL, é indicado para diminuir a esteatose, como também o xenical?

ficarei muito grato

julio

Ha tres anos tive esteatose e hoje nao tenho nada. Só existe um remedio para isto. Primeiro seis meses de musculaçao nas pernas principamente e fazer uma hora de esteira ou caminhada por dia e procurar tambem um nutricionista, após este período onde vc estará com menos peso, e tambem com a musculatura nas pernas, comece a correr meia hora por dia ou tres vezes por semana. Neste período garanto que nao terá esteatose hepatica e estara no mínimo 10 kgs mais magro. Confira

tenho esteostose hepatica leve, diagnostica agora em agosto de 2011, tenho colite cronica a treze anos, tomo mesalazina. a pergunta é a seguinte:

A Mesalazina pode ter desencadeado essa gordura no figado?
Gosto de Tomar umas cervejinhas nos finais de semana, tenho que parar, pois se continuar agrava o problema?

aguardo resposta,
grato

Denilson

pelo resultado do exame de us, foi diagnosticado que tenho hepatomegalia e esteatose hepatica,apresentou tambem nódulo no lobo direito.Hemangioma? Hilar pad no segmento IV. Sou diabetica, a mais ou menos uns 06 anos, estou tambem com litíase renal bilateral,tenho 44 anos, e hipertensa, faço uso de cloridrato de metiformina e atenolol com clortalidona, não bebo e nem fumo, gostaria de saber sobre o resultado do exame, estou preocupada, pois só vou dia 29/08/11 ao retorno do médico.

TENHO ESTEATOSE HEPATICA ACENTUADA, MUITA CONTROVERSIA EXISTE QUANTO AO TRATAMENTO, AFINAL QUAL MEDICAÇÃO COMPROVADAMENTE É EFICAZ NO COMBATE A DOENÇA?

descobri também q tenho esteatose grau II não fumo não bebo tomo somente alguns remédios depressivos como adquiri essa doença? qual o tratamento e com q médico especialista?
estou muito preocupada

OI tenho 30 anos e descobri que estou com hesteatose hepatica grau 2, não fumo e não bebo tenho 1,80 e 127 kg, esse parametro tem tratamento, cura parcial ou total gostaria que respondessem para meu email.

Glicose, colesterol, tudo que me foi pedido no exame encontra-se em níveis ótimos, menos o fígado, que apresentou esta doença. Estou um pouco acima do peso. Mas fiquei bem chateeda em perceber que este problema independe dos índices de colesterol.

Bom dia descobri que tenho hesteatose hepatica gostaria de saber a dieta recomendada? TENHO 34 ANOS E 98KG .Aguardo retorno .

grato.

Os comentários estão encerrados.