Hepatite C e câncer de fígado

“O povo brasileiro está consternado com a morte de d. Luciano Mendes de Almeida, grande líder religioso, um guerreiro do bem, em face de duas doenças que o acometeram, câncer de fígado precedido de hepatite C. No mundo ocidental o câncer de fígado não é dos mais freqüentes e as atenções costumam se voltar para outros tipos de câncer, muitos deles passíveis de prevenção ou com tratamento e controle possíveis.

Assim como em outros tipos de câncer, aquele que acomete o fígado está preferencialmente associado a alguns fatores, que no meio médico se chamam fatores de risco. Há pouco mais de 10 anos, destacava-se entre os fatores que levam ao câncer de fígado a Hepatite B. Para este vírus, o primeiro a ser descoberto no alfabeto das hepatites, já existe uma vacina, adotada em todo o mundo e também no Brasil. Quando se tornou possível a vacinação e prevenção da hepatite B, na verdade o mundo assistiu ao desenvolvimento da primeira vacina contra um tipo de câncer. Efetivamente, na China e em vários outros países do Oriente, onde foram implementados os programas de vacinação, já estamos observando uma diminuição da prevalência do câncer associado ao vírus B.

Mas outra endemia teve início nas últimas décadas e cresce a cada dia o número de pacientes com hepatite C, infelizmente outro fator de risco para o desenvolvimento de câncer do fígado.  A hepatite C se instala silenciosamente, sem quaisquer sinais de doença, ou com poucos sintomas, em geral inespecíficos, ou seja, criando grande dificuldade para sua detecção precoce. Infelizmente, o exame de sangue, relativamente simples, que faz o diagnóstico de hepatite C, não é solicitado de rotina. Ele faz parte dos testes em doadores de sangue e também consta de várias listas de exames, tipo “check-up”, mas certamente é menos requisitado do que seria necessário. O ideal seria que qualquer pessoa pudesse dirigir-se ao posto de saúde ou posto de coleta e lhe fosse permitido fazer esse exame. Juntá-lo com os exames de AIDS ou nos ambulatórios de doenças sexualmente transmissíveis não é uma boa idéia, pois a contaminação sexual é forma muito rara de transmissão desse vírus. Transfusões de sangue antes de 1992 (quando não se faziam os testes de detecção em doadores), uso de drogas injetáveis, qualquer manipulação com material cortante ou perfurante, que esteja contaminado pelo vírus, é a forma mais freqüente e isto inclui injeções diversas, manicure, barbeiros, dentistas e procedimentos médico-hospitalares.

Voltando ao tema em questão, duas perguntas fundamentais devem ser respondidas, a saber: 1) com que freqüência a hepatite C evolui para câncer? 2) vale a pena detectar precocemente? Nesta última pergunta está embutida a questão de haver algum tipo de tratamento possível, após o diagnóstico.

Sabemos que o número de portadores do vírus da hepatite C é muito grande entre nós, calcula-se que 1% a 2% da população brasileira esteja contaminada. Estes números estão sendo confirmados por investigação nacional recente. Poucos, entretanto, têm conhecimento de albergar o vírus. A grande maioria desses portadores assintomáticos pode evoluir razoavelmente bem nos próximos anos ou décadas. Calcula-se que apenas 20% dos contaminados evoluem para a forma mais grave, de cirrose, a partir da qual se desenvolve o câncer. O surgimento de câncer de fígado antes da fase de cirrose, é muito pouco freqüente, mas não impossível, pois uma minoria de casos de câncer pode ocorrer em fígados sem cirrose.

Apesar desta boa notícia, para os indivíduos com hepatite C sem cirrose, naqueles casos mais evoluídos as novidades são bem mais preocupantes. Sabemos que a cirrose também pode ser uma doença silenciosa. O paciente não apresenta dores, não terá pele amarela ou qualquer outro sintoma, numa primeira fase da doença. A notícia alarmante, que nos chega de estudos recentes, desenvolvidos em vários países do mundo e confirmados em nosso meio, é que o câncer de fígado é a causa mais freqüente de primeira “descompensação” de cirrose por hepatite C. Os hepatologistas, ou médicos que estão acostumados a acompanhar pacientes com doenças do fígado, dividem os cirróticos em dois grupos. Os compensados, são aqueles que aparentam normalidade clínica, desenvolvem relativamente bem suas atividades e não apresentam qualquer alteração mais significativa, como inchaços e icterícia (cor amarelada da pele). Esperava-se que apenas esses, depois de descompensados, iriam evoluir com câncer. Infelizmente, a prática com hepatite C vem nos demonstrando o contrário. O câncer pode surgir depois de uma complicação, mas muito frequentemente ele é a primeira complicação da cirrose.

Passando agora às perguntas propostas, temos que a evolução para câncer ocorre em cerca de 4%  ao ano em cirróticos com Hepatite C. Exatamente por acometer cirróticos em boas condições, os sistemas de alocação de órgãos, tanto na Europa como nos Estados Unidos, há alguns anos vêm dando preferência para transplante hepático nesses casos. No Brasil, há pouco tempo houve a mudança de normas e felizmente, os nossos pacientes com câncer associados a hepatite C vão poder ser tratados convenientemente.

Pelo exposto fica claro que vale a pena investir na informação e na investigação, com finalidade de procurar salvar vidas preciosas, como aquela que acabamos de perder e que só o transplante hepático na época adequada, poderia ter salvado.”

 

Edna Strauss: ex-presidente da Sociedade Brasileira de Hepatologia – SBH (Biênio 2003-2005). Fez Doutoramento e Livre Docência na Faculdade de Medicina da USP. Estágio de hepatologia pelo CNPq/INSERM, no Hospital Beaujon em Clichy, na França. Atualmente é orientadora de Pós-graduação na Faculdade de Medicina da USP e representante da SBH junto à Associação Médica Brasileira. Reside e tem consultório em São Paulo, capital.

 

 

Para agendar entrevistas, ligue (11) 3078-4690 ou pelo e-mail central@majmaluf.com.br

 




Se você gostou deste artigo, deixe um comentário abaixo e considere
cadastrar nosso RSS, para ser notificado nas próximas atualizações do blog.

Comentários

ATRAVÉS DE DOAÇÃO DE SANGUE, ELES DETECTA TUDO O QUE A PESSOA TEM. EX: AIDS, HEPATITE,ETC…
E QUEM TEM ESTEATOSE HEPÁTICA GRAU 1, PODE DOAR SANGUE?
É DETECTADO ESTE TIPO DE DOENÇA IMEDIATO.ELES AVISAM O PACIENTE SOBRE ESSES CASOS.
AGUARDO RESPOSTAS.
OBRIGADO
RESPOSTA URGENTE…

Ótima a explanação , preciso de todas as informoções que forem possíveis.Até a presnte data não possuo mais o vírus estou sob controle há dois meses depois do tratamento. Gta.

descobri que sou portatora da hepatite c ha 23a devido a uma transfusão de sangue.
amanha vou fazer uma biopsia hepatica.essa materia me esclareceu muitas duvidas.
obrigada marta

Gostei muito das unformações acima citadas!!! Eu gostaria de saber como eu posso descobrir se sou´portador de uma possível doença no fígado?

sou portadora da hepatite c quero saber se eu preciso consultar um gastro ou eu posso ir direto ao infectologista|?

Gostaria de tirar uma duvida: adolescente neta de paciente falecido com cancer no fígado-há18 anos atrás(dizem que foi consequencia de hepatite mal curada há muitos anos antes) pode tomar vacina contra hepatite sem qualquer risco – por causa da genetica ???Por favor, aguardo sua resposta . MUITO OBRIGADA.

meu esposo esta na fila de transplante pelo HC ribeirão preto.o diagnostico epatite C CIRROSE, NECROSE 1/3 DO FIGADO E FEZ O TRATAMENTO COM INTERFERON + RIBAVIRINA +OU_ 6 MESE,QUANDO EM UM DOS ACOMPANHAMENTO DETECTARAM CANCER ,EO ENCAMINHARAM PRO TRANSPLANTEGOSTARIA DE SABER QUAL A CHANCE ,SEI QUE MILACRE´SÓ DEUS MAS,… …ESTA SENDO DIFICIL QUE DESCISÃO TOMAR …DEIXA ASSIM E …OU VAMOS CORRER O RISCO E TRANSPLANTAR…TENHO UM CASAL DE FILHOS 20 ANOS E 14 ANOS ,O PAI É COMPANHEIRÃO AMIGO TUDO PRA ELES. POR FAVOR ME AJUDE.HOJE FOI FAZER UM EXAME ODONTOLGICO A ULTIMA AVALIAÇÃO QUE ESTAMOS FAZENDO PRA ANEXAR AO PRONTUARIO….ASSINO????…..

Gostei do que li,mais gostaria de deixar uma pergunta no ar hepatite C,tem controle ela pode matar quais seus sintomas e causas,meu filho diz ter hepatiteC,como devo cuida-ló apesar dele já ter família. Obrigado espero anciosa pelas respostas, Hoje é 29 de junho de 2009

ahei muito bom o comentario é muito esclarecedor no entanto gostaria de saber em PE já ha algum hospital que faz o tratamento desta doença

Meu marido tem esteastose,foi detectado por um exame qdo foi ao endocrinologista,não fomos a nenhum especialista,gostaria de saber qual especialista procuro e se tem alguma indicação aqui no Rio.
Grata.

sou portador de hepatite c grau l , a mais de 25anos tenho cirrose, peguei shistosomose, mas ja curei a shistose, fiz tratamento de 12 semanas com interferon pequilado + ribavirina. foi quando minhas plaquetas abaixaram demais e tive AVC. fiquei em coma enduzido durante 20 dias no medical center de boston EUA. fiquei recuperando durante 90 dias internado neste hospital. foi quando melhorei e vim para o brasil todo descompensado, comecei fazendo tratamento com o dr. marcio, gastro de caratinga , e fiz uma visita ao dr. joao galizzi , hepatologista, ele me pediu pra eu entrar na fila de transplante, nao entrei continuei com o tratamento do dr. marcio, hoje estou bem compensado mas nao curado pois tenho medo de refaqzer o tratamento com os mesmos medicamentos e sofrer de novo o que eu sofri. ja tenho 6 anos que estou fazendo este tratamento e nao tive nenhuma recaida. minha nutricionista que cuida da minha alimentaçao balanceada . de 4 em 4 meses faço todos exames de rotina pra ver se houve alguma alteraçao no exame para ver o nivel de risco de eu ter cancer no figado. nao tenho nenhum risco ate hoje. a minha duvida e ja tem outros medicamentos para negativar o virus da hepatite c. pois se eu nao nagativar o virus nao posso fazer transplante pois o virus fica no sangue e nao no figado. aguardo respostas obrigado .

tenho uma irmã que ta fazendo tratamento em belem do figado gostaria de saber mais sobre isso me ajudem

Estou com esteatose hepatica grau 3,e com obesidade mobita ,preciso de ajuda de um profisional…
obrigada

eu tenho cirrose ela esta quetinha mais tenho medo de voltar tudo e estou com obesidade morbita estou com 50kilos a mais gostaria de fazer cirurgia redução decestomago mais demora muita a fila o que faço

Se vc tem Hepatite C trate imediatamente,nao espere tempo algum

Boa Noite!
Meu avô tem 87 anos e foi diagnosticado câncer no fígado. Estamos disnortiados e não sabemos como tratar, quais são os tratamentos e o que podemos fazer para amenizar os sintomas.
Agurdo retorno o mais breve!

uma baixa de globulos brancos uma coceira incessante vermelhidão pode ser sintomas de um cancer de figado

Tenho 46 anos, numca fiz exames de nada, com relação a figado, aparentemente sou sudavel, nao bebo a 13 anos, nao fumo, sempre tive uma vida bastante ativo no sentido de exercicio e claro, caminho, remo, procuro sempre esta me mexendo, de forma moderada, pois o tempo e pouco, hoje cinto dores leves nesta regiao do figado, tenho um pouco de problema de coluna, assim quando goroto tive hepatite tipo A, que foi curada, nao sei se por ter tido hepatite A, facilita para ter a demais.

bom e isso

parabens e obrigado pelas as materias, estou mais conciente com relação a me cuidar um pouco mais, afinal amigo(a)s, nao adianta ter tudo e nao ter saude, saude e o que interessa o resto nao tem pressa.
fui abraços a todos
estou na beiro do Rio Tocantins – 80 KM de Palmas, na cidade de Miracema do Tocantins – TO, espero todos aqui
fui

gostei queria saber sobre a doenca por que meu irmao feis doacao de sanque e o ressutado do isame costatou hepatiti nao sabemos o que faser outro isame so foi marcado para toda familha mais so em outubro estou preucupada me ajuda

Boa tarde, Amanda

Obrigado por acessar nosso site.

A Revista VIGOR – movimento e saúde é uma publicação da Thesaurus Editora de Brasília. Como somos muito lidos, profissionais e instituições de pesquisa e ensino nos enviam artigos e comunicados para publicação.

Infelizmente, somente agora acessamos seu e-mail. Diariamente, recebemos centenas de mensagens de nossos leitores solicitando informações. Como atendemos a todos seguindo a ordem de entrada em nossa caixa de mensagens, temos dificuldades de responder com a rapidez que alguns necessitam.

Gostaríamos de destacar que a internet não é o melhor caminho para resolver os problemas relacionados à assistência médica de emergência. Procure sempre um médico especialista.

Um abraço

Marcos Vinhal Campos
Revista VIGOR – editor
http://www.revistavigor.com.br

Os comentários estão encerrados.